Premiado arquiteto indiano Balkrishna Doshi morre aos 95 anos

O arquiteto Balkrishna Vithaldas Doshi, discípulo de Le Corbusier e o primeiro indiano a receber o Pritzker em 2018, morreu aos 95 anos — anunciaram seus familiares e o comitê desse prestigioso prêmio.

O estúdio Sangath, dirigido por uma das suas netas em Ahmedabad, que se dedica à conservação e à divulgação da sua obra, anunciou sua morte, em casa, na terça-feira passada.

O comitê do Pritzker, que concede o prestigioso prêmio de arquitetura, recordou um homem que "ajudou a dar forma ao discurso da arquitetura na Índia e em todo o mundo desde os anos 1950".

"Por meio de sua abordagem ética e pessoal do ambiente construído, deixou uma marca na humanidade de todas as classes socioeconômicas de seu país natal", afirmou o comitê.

O primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, prestou uma homenagem a "um arquiteto brilhante e um notável construtor de instituições".

Balkrishna Doshi foi um pioneiro da arquitetura modernista e um firme defensor da moradia digna para as classes populares.

Embora nunca tenha obtido um título oficial, formou-se com o lendário arquiteto suíço nascido na França Le Corbusier (1887-1965), cuja influência se tornaria uma fonte de inspiração.

Entre suas obras, estão o complexo Aranya (1989) em Indore, no estado de Madhya Pradesh, projetado para famílias de baixa renda. Ainda hoje, cerca de 80.000 pessoas vivem nas 6.500 residências do projeto, que vão de apartamentos de um quarto a grandes casas.

“Meus projetos tiveram um caráter participativo e foram adaptados às pessoas para as quais foram criados”, disse ele à AFP em 2018.

“A Índia está se transformando rapidamente e precisamos desenvolver muitos projetos ecologicamente sustentáveis”, explicou à época.

pzb/pc/mb/tt