Preço dos livros e vendas do mercado editorial subiram em 2022, mostra pesquisa

***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP 07.12.2022 - Livraria Eiffel, na praça da República, em SP. (Foto: Karime Xavier/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP 07.12.2022 - Livraria Eiffel, na praça da República, em SP. (Foto: Karime Xavier/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Tanto o preço médio dos livros quanto o faturamento do mercado editorial como um todo subiram no ano passado, segundo pesquisa da Nielsen divulgada com o Sindicato Nacional dos Editores de Livros nesta segunda (23).

O setor faturou 8,3% a mais no ano passado que em 2021, que já havia sido um ano de crescimento expressivo na venda das editoras ao público, com um salto de 29% sobre o primeiro ano da pandemia. Como vinham prevendo os profissionais do mercado, foi um ano de consolidação do setor em um patamar mais alto de operação.

Vale pontuar que, quando se considera na conta a venda dos livros didáticos para o governo, que despencaram no ano passado, o cenário do setor como um todo foi de leve retração.

A quantidade de livros vendidos no ano passado também foi superior, com 58,6 milhões de exemplares comercializados contra 56,9 milhões em 2021.

O salto mais acentuado no faturamento tem a ver com o crescimento do preço médio pelo qual cada livro é vendido. O valor subiu 5,2%, chegando a R$ 43,42, confirmando um aumento que já era sensível pelo público leitor.

As editoras tiveram que lidar com um forte aumento no preço do papel por causa de fatores como a Guerra da Ucrânia, que desestabilizou o mercado de commodities a partir de março. Isso levou ao aumento dos preços de capa e a uma reorganização dos lançamentos por parte das editoras.

Os descontos médios se mantiveram estáveis de um ano para o outro, mas a variedade de livros vendidos diminuiu 5% -ou seja, as editoras venderam mais exemplares, mas menos títulos diferentes.