Coronavírus: é possível que Jair Bolsonaro não tenha sido infectado? Especialistas respondem

O presidente Jair Bolsonaro já fez dois exames, que deram negativo - mas imagens dos documentos nunca foram apresentadas (Foto: AP Photo/Andre Borges)

Na comitiva do presidente Jair Bolsonaro que viajou para os Estados Unidos, há 23 pessoas com COVID-19. Entre eles o ministro do Gabinete de Segurança Institucional, Augusto Heleno, secretário de comunicação, Fabio Wajngarten, o segurança do presidente e também a advogada de Bolsonaro.

E nos siga no Google News:

Yahoo Notícias | Yahoo Finanças | Yahoo Esportes | Yahoo Vida e Estilo

Nesse cenário, é possível que o presidente realmente não tenha pegado a doença? Jair Bolsonaro já fez dois testes e afirmou que o resultado foi negativo. No entanto, os exames não foram mostrados ao público, o que gerou dúvidas e especulações.

Apesar de ter viajado em um avião com pessoas infectadas pelo novo coronavírus, há sim a possibilidade de o presidente não ter contraído a doença. Roberto Muniz Jr., infectologista do hospital Albert Einstein, explica que, segundo a literatura, cada pessoa infecta entre 2 e 3 pessoas. Sendo assim, nem todas as pessoas que tem contato com o vírus contrairão a doença.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

O médico ainda reforça que a maior parte das pessoas doentes e assintomáticas, que não apresentam nenhum sintoma. “A cada 100 pessoas, 86 vão colocar esse vírus pra frente sem sentir nada. E esse é o motivo para o isolamento social e quarentena, manter essa pessoa em casa para poupar outros que podem ficar doentes mais gravemente”, afirma.

A clínica geral Denise Duarte Iezzi reafirma que é possível que o presidente não tenha ficado doente em nenhum momento.

Por outro lado, há a possibilidade de o presidente ter sido infectado e já ter passado e até de o exame estar errado.

Como explica Denise, há dois tipos de teste. O mais comum no Brasil é menos preciso e costuma ser usado como contraprova. A questão é que se a pessoa ainda está no início da infecção, o coronavírus pode não ser rastreado. “Não é um erro do exame, mas uma limitação”, explica. Nesse caso, pessoas assintomáticas podem apresentar resultado negativo, mesmo tendo COVID-19.

O outro tipo, mais preciso, é um teste de triagem.

Sem imagens do exame feito pelo presidente, é impossível saber qual era o tipo de teste.

O ideal, segundo Denise, é que esses métodos sejam substituídos pelo sequenciamento genético, que ainda não é usado no Brasil.

Leia também

Os dois afirmam que é possível que o presidente não tenha sido infectado. Ainda assim, muitas pessoas podem contrair a doença, ainda que não tenham sintomas. “Nesse momento o coro de vozes de especialistas é unanime em dizer que o isolamento social é essencial”, afirma Roberto.

Segundo um estudo da revista academia Science, pessoas assintomáticas serão fonte da doença para 79% dos casos documentados. “Independentemente de o presidente ser positiva ou negativo, as medidas populacionais têm de ser feitas, se não, vamos morrer na praia”, alerta Denise.