Por que ainda precisamos do Orgulho? "Fui demitido e despejado por ser gay"

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Damian Barr mudou-se para Brighton em 1999, que descreveu como
Damian Barr mudou-se para Brighton em 1999, que descreveu como "um farol de esperança". Ele vai ao Brighton & Hove Pride todos os anos. (Foto: Daisy Honeybunn/Honeybunn)

Yahoo! é o patrocinador oficial da Brighton & Hove Pride este ano. Damian Barr é residente de Brighton, apoiador da Pride e um ativista LGBTQIA+ famoso. Leia a coluna dele abaixo.

Agora é a melhor e a pior época para ser LGBTQIA+ no Reino Unido. Graças ao trabalho de Stonewall e outros e à ação de nossos aliados, nunca antes desfrutamos tanto dos mesmos direitos que todos os demais, pois é tudo o que sempre quisemos. O mesmo, não mais. Não extra. Temos nosso próprio extra.

Aos 20 e poucos anos, fui demitido e despejado de residências estudantis mais de uma vez por ser gay. A lei não estava do meu lado. Agora, estou protegido. Mas, pós-Brexit, não há mais um tribunal europeu para impedir que o ódio volte no tempo.

Políticos conservadores ainda atacam o casamento homoafetivo. Nosso secretário de Saúde Sajid Javid está "revisando" o já subfinanciado Serviço de Desenvolvimento de Identidade de Gênero. O governo reconheceu os horrores da "terapia" de conversão, antes de abandonar o compromisso de bani-la. Depois, proibiu-a para pessoas LGB, mas não para pessoas T. Somos todos humanos e merecemos os mesmos direitos, ou então não somos e nem merecemos. Os governos escocês e galês vão proibir a terapia de conversão para todos.

O Brighton & Hove Pride é uma celebração e uma chance de arrecadar fundos vitais para o Brighton Rainbow Fund. (Imagem: Orgulho de Brighton)
O Brighton & Hove Pride é uma celebração e uma chance de arrecadar fundos vitais para o Brighton Rainbow Fund. (Imagem: Orgulho de Brighton)

Enfrentando o preconceito

Cresci na Escócia nos anos 80 à sombra de Thatcher. Seu governo introduziu a Seção 28, que proíbe a "promoção" da homossexualidade. É claro que o comportamento aprendido foi a homofobia... E a parada LGBTQIA+ vai nos ajudar a mudá-la. Essas leis estão de volta nos EUA. Seria fácil aprovar leis do tipo "Não diga gay" aqui.

Quando era jovem, a idade de consentimento era 21 e, se eu não fosse preso por beijar meu melhor amigo Mark, tinha certeza que seríamos assassinados ou mortos pela nova doença, a AIDS. Carregamos todo esse medo e ódio em nossas costas todos os dias. Os hematomas já sumiram há muito tempo, mas nunca esquecerei as ofensas. E até os bons professores se sentiam impotentes por causa da seção 28. Agora estamos no meio de outro pânico moral, desta vez envolvendo pessoas trans.

Mas o roteiro é o mesmo. Mark se matou aos 23 anos. Cada ofensa e agressão, cada vez que era ignorado o aproximaram daquele dia. Jovens LGBTQIA+ ainda pensam em suicídio duas vezes mais que os heterossexuais, de acordo com uma pesquisa da instituição de caridade Just Like Us. Paus e pedras quebram sim os ossos, mas nem sempre na hora. Escrevi sobre tudo isso em minhas memórias, Maggie & Me. Desde então, as coisas melhoraram e pioraram. Quanto maior a escuridão, mais brilhante é a luz.

O poder da parada

Crimes de ódio contra pessoas LGBTQIA+ na Inglaterra e em Gales foram recordes em 2021. E aumentam mais a cada ano desde 2016-17, segundo o Ministério do Interior. Há cada vez mais crimes de discriminação racial. Essas coisas andam juntas.

Uma sociedade que se omite quando pessoas LGBTQIA+ são abusadas tampouco se incomoda quando pessoas não brancas também são feridas. Como mostra o assassinato de Sarah Everard por um policial em serviço, a misoginia permeia as próprias instituições que deveriam nos proteger.

Esses são os pontos que precisamos juntar. É disso que se trata a interseccionalidade. Obter igualdade para todos porque, juntos, somos mais do que separados.

166 / 5,000
Translation results
O festival Brighton & Hove Pride nos dias 5 e 6 de agosto tem um line-up fantástico novamente este ano, incluindo Christina Aguilera e Sophie Ellis-Bextor. (Imagem: Orgulho de Brighton)
166 / 5,000 Translation results O festival Brighton & Hove Pride nos dias 5 e 6 de agosto tem um line-up fantástico novamente este ano, incluindo Christina Aguilera e Sophie Ellis-Bextor. (Imagem: Orgulho de Brighton)

Liberdade, finalmente

Mudei-me para Brighton em 1999. Era um farol de esperança, brilhante como o cais do palácio, me chamando para ser livre à beira-mar. Agora temos a maior parada LGBTQIA+ do Reino Unido.

Seja qual for o clima, o dia da parada é sempre o mais ensolarado. A solidariedade e a alegria dela me dão força nos tempos mais sombrios. A primeira parada em que desfilei foi a primeira da Escócia. Foi em 17 de junho de 1995 e eu não fazia ideia do que esperar. Quem estaria lá? Eu estaria seguro? O que eu iria usar?

Naquele dia o sol brilhou em Edimburgo e, pela primeira vez, eu estava cercado por pessoas como eu. Havia homens de mãos dadas em público por todos os lados. Lembro-me de uma banda de bateristas lésbicas e muitos cartazes. Não havia medo nem vergonha no ar, nem no meu coração.

Todos os anos, eu marcho em Brighton com a Anistia carregando um cartaz para um dos 69 países onde ainda é ilegal ser LGBTQIA+. Sim, 69. A Arábia Saudita é um dos 11 países que ainda executam pessoas LGBTQIA+. As pessoas desses países nos agradecem por reconhecer sua luta e compartilhar sua história.

Todos os anos, mais nações removem essas leis, como a Índia recentemente. Isso é mesmo animador. Mas tornar algo legal não o torna aceitável. E muito menos comemorado, especialmente nas ex-colônias britânicas que importaram as leis homofóbicas com vigor.

Na parada, podemos ser nós mesmos, seja com quem e onde quer que estivermos. Não é apenas um dia ou uma cidade. Nenhum de nós é livre até que todos sejamos livres. E isso começa comigo e com você.

Siga Damian Barr no Twitter @Damian_Barr e visite www.damianbarr.com.

Como conseguir apoio

Se estiver tendo problemas ou pensamentos suicidas, visite The Samaritans ou ligue para o número de auxílio gratuito deles: 116 123.

Para apoiar, você pode entrar em contato com as seguintes organizações LGBTQIA+:

Stonewall : a principal instituição de caridade defensora de pessoas LGBTQIA+.

Mermaids: uma instituição de caridade do Reino Unido para crianças e jovens de gêneros diversos e suas famílias.

The Beaumont Society: uma instituição de caridade no Reino Unido para pessoas trans e suas famílias.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos