“Pop Antigo”: Siso explora provocações e sentidos da pista de dança em novo clipe

Guilherme Araujo
·2 minuto de leitura
Material tem direção de Fabio Lamounier, premiado por colaboração com Tulipa Ruiz (Foto: Divulgação)
Foto: Fabio Lamounier

Não existe receita pra criação de uma boa música pop, mas de uma forma ou de outra, há quem diga que seu refrão é a parte que mais demanda atenção do autor. É preciso ser perspicaz, trazer boas sacadas e ainda assim ser acessível. Chiclete, seria a palavra! O mineiro Siso soube como articular essas ideias em “Pop Antigo”, seu single mais recente, ao criar uma narrativa que já pode ser definida como a mais dançante da carreira.

“O que eu queria era dançar contigo
Um pop antigo até de manhã
Fingir que nunca existiu um ontem
E que nunca existirá amanhã”

Com duas ou três audições, potencializadas por um vocal único, já se torna impossível tirar esse verso da cabeça. Faça o experimento, somando-o às múltiplas referências de seu universo musical. Imagético, o artista bebe na fonte de influências musicais como David Bowie e Robyn. Flerta abertamente com as cores e composições do estilista Kansai Yamamoto. O clipe da faixa, portanto, só poderia ser uma ode às provocações da pista.

Como aliados, convoca dois amigos: a dançarina, professora e idealizadora da Boate Class, Isa Zendron, e Sergio Klisman, que recebem como missão trazer os anos 1980 de volta à vida por meio de figurinos e uma coreografia solar, intuitiva, perfeita para resgatar o auge do synthpop, technopop e new wave.

A direção é de Fábio Lamounier, um dos responsáveis pelo clipe de “Pedrinho”, de Tulipa Ruiz, recém-premiado pelo Los Angeles International Music Video Festival.

O ouvinte, claro, não precisa assistir a isso passivamente. “Pop Antigo”, antes de ser ponte para a exteriorização sentimental, é um convite a expurgar sensações indesejadas, ainda que em uma dança solitária.

O artista

Nascido em Belo Horizonte, Minas Gerais, Siso é parte de uma cena pop emergente no estado. No início da carreira, quando começou a produzir seus primeiros materiais, fez parte de projetos eletrônicos que o levaram à mixtape “SDDS FUTURO” (2013), que lhe rendeu um convite para uma missão na MIDEM, conhecida feira do mercado de música realizada em Cannes, na França.

Além de dividir os vocais com Thiago Pethit, YMA e Papisa, o artista também possui no currículo o elogiado single “Saturno Casa 4”, com Letrux. Em novembro de 2020 ele lança o segundo disco da carreira, autointitulado.