1 / 4

Policial adota bebê de moradora de rua

Policial adota bebê de moradora de rua – Reprodução/Jesse Whitten/ABC News

Homem adota bebê de moradora de rua que ajudou em serviço

Um policial da Califórnia teve um ato de bondade ao adotar um bebê de uma mulher sem teto que conheceu durante uma de suas rondas. A mãe perguntou a Jesse Whitten se ele gostaria de adotar sua filha, o que se tornou realidade na última semana.

Leia mais: Vídeo mostra reação emocionante de garotinha ao saber que será adotada

“Eu me apaixonei imediatamente. Ela é tão adorável. Ela chora se quer alguma coisa, como todos os bebês, mas assim que a tocamos, ela para de chorar imediatamente. Ela sabe que está em segurança”, conta Jesse.

A menina foi chamada de Harlow e tem sete meses de vida. Jesse conheceu a mãe biológica quando ela ainda estava grávida, sofrendo com o vício nas drogas. “Como muitas pessoas que eu converso, eu ouvi tudo sobre sua vida e sua história. Eu sabia quem eram seus outros dois filhos que conheci em um acampamento que trabalhei. Tive uma conexão imediata com ela apenas por saber quem eram seus filhos, que são maravilhosos”.

Ele segue contando que sua mulher, Ashley Whitten, também conheceu a mulher. “Minha esposa percebeu que a mulher estava grávida e ela colocou sua mão na barriga dela para que sentisse quem seria, em breve, nossa filha”.

Jesse ofereceu ajuda e encaminhou a mulher para uma clínica de reabilitação, onde ela reforçou a oferta de adoção. O bebê nasceu em 9 de fevereiro e apesar do esforço da mãe em tentar se livrar do vício, a pequena Harlow apresentou resquícios de heroína em seu organismo.

Logo quiseram encaminhar a menina para um centro de emergência em um orfanato, mas a mãe imediatamente pediu para entrar em contato com Jesse. “Ela me disse que sabia que eu tinha filhas, que eu era firme, mas justo”.

Leia mais: Casal adota criança através do Instagram

Em 30 de agosto, Jesse e sua mulher adotaram Harlow Maisey Whitten oficialmente e o nome do meio da menina foi escolhido em homenagem à mãe biológica. “Isso é para dizer à ela: ‘sua mãe amava você e nós te amamos e nós escolhemos o seu nome'”.