Policiais de Los Angeles se reúnem com suposta vítima de Marilyn Manson

·3 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Polícia de Los Angeles planeja se reunir com uma das supostas vítimas do cantor Marilyn Manson, 52, nos próximos dias, segundo o TMZ. Um grupo de 11 mulheres acusa o artista de violência doméstica, relacionamento abusivo, tortura, estupro e até tentativa de assassinato. As investigações começaram após a atriz Evan Rachel Wood, 33, ex-noiva de Manson, acusá-lo de abuso e violência doméstica. "O nome do meu abusador é Brian Warner, também conhecido mundialmente como Marilyn Manson. Ele começou a me assediar quando eu ainda era uma adolescente e abusou terrivelmente de mim por anos", escreveu ela no Instagram. Wood e Manson começaram a namorar em 2006, quando ela tinha 19 anos, e ele, 36. Os dois tiveram um namoro ioiô por quatro anos. Em janeiro de 2010, Manson pediu a mão dela em casamento no palco de um show em Paris. No mesmo ano, o relacionamento terminou "Eu passei por uma lavagem cerebral, fui manipulada para ser submissa. O músico sofreu outras denúncias, uma delas citando um "quartinho do estupro", em sua casa. O impacto foi tão grande que Tony Ciulla, que administrou a carreira do roqueiro nos últimos 25 anos, abandonou o músico. Mais uma atriz acusa Manson de agressão e tentativa de assassinato. Desta vez foi Esmé Bianco, 38, que viveu a prostituta Ros na série "Game of Thrones". De acordo com ela ao The New York Magazine, o músico a teria torturado e tentado matá-la com um machado. Ela revela que conheceu o cantor em 2005 por meio de uma amiga comum que também era ex-namorada de Manson. Anos depois, Esmé virou a namorada dele. Após participar do clipe "I Want to Kill You Like They Do in the Movies", ela afirma que passou os três dias seguintes de lingerie, dormindo e comendo mal e que Manson servia a ela cocaína em vez de comida. O cantor teria a amarrado com cabos e dado chicotadas nela com brinquedos sexuais. Em 2010, a atriz conta que foi torturada e mordida por ele durante uma relação sexual e que teria tido o corpo cortado com faca. "Eu apenas me lembro de estar deitada lá e não lutei contra isso. Foi uma espécie de gota d'água em que perdi todo o senso de esperança e segurança", relembra ela, que diz ter até hoje cicatrizes dos cortes e contusões feitos por Manson. A atriz também disse que ele correu atrás dela com um machado pelo apartamento dele após uma briga. Em 2011, ela teria conseguido fugir da casa. Segundo a Vanity Fair, além das atrizes, outras quatro mulheres que afirmam ter tido relações afetivas com o cantor também acusaram o artista de manipulação, assédio e abusos. Uma delas, que esteve com Marilyn Manson em 2015, também menciona vários estupros. A atriz Rose McGowan, 47, conhecida por estar em séries como "Era Uma Vez" (2011), que esteve com o cantor no início dos anos 2000 disse: "Apoio Evan Rachel Wood e as outras mulheres corajosas que deram um passo à frente".