Polícia prende mulher que transportava dinamite de 5 kg em mochila do filho de 3 anos

Dinamite foi encontrada na mochila de uma criança em Anápolis (GO). Foto: Divulgação

RESUMO DA NOTÍCIA

  • Polícia prendeu em flagrante em Anápolis (DF) jovem de 19 anos que transportava na mochila do filho, de 3 anos, uma dinamite de cinco quilos.

  • Em depoimento, jovem disse ter vindo do Tocantins apenas para trazer a dinamite e ter recebido R$1 mil como pagamento; homem que conversava com ela antes da prisão foi liberado.

A polícia prendeu em flagrante nessa sexta (24), em Anápolis (DF), uma jovem de 19 anos que transportava na mochila do filho, de 3 anos, uma dinamite de cinco quilos. A informação foi publicada pelo portal UOL.

Segundo a polícia, o artefato seria capaz de destruir uma agência bancária inteira. A mulher teve a identidade preservava, e, de acordo com as investigações, saiu do Tocantins e desembarcou na rodoviária de Anápolis, em Goiás, com o explosivo.

Leia também

Ao portal, o delegado regional de Anápolis, Pedro Caires, informou que a jovem foi apresentada na Central de Flagrantes de Anápolis, onde seguia detida, pela prática do crime previsto no artigo 16, inciso III, da lei 10.826/03, que proíbe o transporte de explosivo ou munição sem autorização legal.

Nesta segunda (27), ela passará por audiência de custódia. Até esse sábado (25), a mulher não havia constituído advogado de defesa e seria assistida por um defensor público.

Segundo a polícia, durante patrulhamento na rodoviária, a Polícia Militar abordou um suspeito que já seria conhecido na região e estava conversando com a jovem no local. Em função disso,  ela também foi abordada. O homem, no entanto, foi liberado.

"Na bolsa da criança estava esse pacote com essa dinamite. Ela trouxe para entregar para alguém que disse não conhecer", disse o tenente Cláudio Antônio de Oliveira Gomes Júnior, da PM em Anápolis.

"A moça confessou e disse que trouxe a mando de um cara que ela não quis falar quem é. Normalmente, a gente não aborda uma mãe com uma criança de três anos, é fora de suspeita, mas por ela estar conversando com esse camarada que já era conhecido, acabou chamando a atenção da equipe que fez a abordagem. Na verdade, ela só foi usada como mula", estimou o policial.

A jovem depôs à polícia e disse ter vindo do Tocantins, da cidade de Araguaína, apenas para trazer a dinamite, e que recebeu R$1 mil como pagamento. O batalhão de operações especiais, Esquadrão de Bombas, da Polícia Militar fez a explosão da dinamite.

O filho da suspeita foi entregue aos cuidados do Conselho Tutelar, que entrará em contato com algum familiar para buscá-lo.