Polícia cita imprudência e não indicia motorista do ex-BBB Rodrigo Mussi

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O motorista de aplicativo Kaique Reis, que levava o ex-BBB Rodrigo Mussi, 37, como passageiro no momento em que o carro dele bateu na traseira de um caminhão no fim de março na Marginal Pinheiros, não foi indiciado, pois lesão corporal culposa é considerado um crime de menor potencial.

Segundo informações da TV Globo, o inquérito já foi concluído pela Polícia Civil de São Paulo. Nele, consta que Kaique foi imprudente e cumpria excesso de jornada naquele 31 de março.

Segundo o delegado Júlio César dos Santos Geraldo, durante vários dias o motorista trabalhou mais do que deveria e não houve fiscalização por parte da empresa para a qual o profissional trabalhava.

O inquérito havia sido aberto em abril pela Polícia Civil. Na época, Kaique foi ouvido. Em entrevista ao Bom Dia SP (Globo), no dia do acidente, o motorista chegou a dizer que teria dormido no volante.

O caso agora seguirá para o Ministério Público que poderá analisar as informações e até mudar a pena.

Depois de 28 dias do acidente, Mussi recebeu alta do Hospital das Clínicas. Segundo nota oficial da assessoria de imprensa e o próprio irmão, Diogo Mussi, agora ele continuará a reabilitação fora de lá.

Nesta terça (3), o irmão disse que Rodrigo se superou na fisioterapia e fez mais do que pediram a ele. Também faz fono e terapia ocupacional e segue evoluindo.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos