Poetisa Amanda Gorman e grupo de K-Pop Blackpink impulsionam metas globais na ONU

Poetisa Amanda Gorman durante posse de Joe Biden

Por Michelle Nichols

NAÇÕES UNIDAS (Reuters) - A banda sul-coreana de K-pop Blackpink e a poetisa norte-americana Amanda Gorman subiram ao palco da Organização das Nações Unidas (ONU), nesta segunda-feira, para pedir ações contra as mudanças climáticas e outras metas globais que incluem alcançar a igualdade de gênero e acabar com a fome e a pobreza.

Gorman leu um novo poema no plenário da Assembleia-Geral da ONU em Nova York, um dia antes de os líderes mundiais começarem a fazer discursos anuais para o órgão de 193 membros.

"Só peço que se importem antes que seja tarde demais, que vivam conscientes e despertos, que liderem com amor nas horas de ódio. Desafio vocês a atender a esse chamado, desafio vocês a moldar nosso destino. Acima de tudo, desafio vocês a fazer o bem, para que o mundo seja grande", disse Gorman sob uma salva de palmas.

Gorman e Blackpink estavam participando de um evento para promover os 17 objetivos de desenvolvimento sustentável criados pela ONU em 2015.

Discursando por vídeo, as quatro integrantes do Blackpink, que são representantes das metas de desenvolvimento sustentável da ONU, pediram às pessoas que reduzam o consumo de energia, escolham produtos locais e diminuam o desperdício de alimentos.

"Devemos aproveitar este momento e tomar medidas para criar um mundo que seja mais sustentável e não deixe ninguém para trás", disse Jennie Kim, membro do Blackpink.

Um painel de ciências climáticas da ONU disse que governos e indústrias devem reduzir drasticamente as emissões de combustíveis fósseis para conter o aquecimento global e limitar seus impactos climáticos.

O secretário-geral da ONU, António Guterres, disse que vários perigos estão empurrando as metas de desenvolvimento sustentável "mais fora de alcance", descrevendo o desafio de resgatá-las como "imenso".

(Reportagem de Michelle Nichols)