Podcast sobre Harvey Weinstein tem pique de novela policial

JOSÉ ORENSTEIN

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Podcast é intimidade. E, desde o fenômeno da primeira temporada de "Serial" (2014), sabemos que o meio funciona especialmente bem como veículo para o jornalismo investigativo. "The Catch and Kill Podcast with Ronan Farrow" é mais um bom exemplo dessa linha.

A série (em inglês) de seis episódios --o mais recente publicado em janeiro de 2020-- tem pique de romance policial. Inclui detetives particulares e espiões treinados pelo Mossad como eventuais personagens. Tem cenas de encontros secretos e mensagens cifradas pelo celular. 

Mas é tragicamente real: é a história da revelação dos abusos sexuais cometidos em série, por anos, pelo célebre produtor de cinema Harvey Weinstein.

Ronan Farrow, vale lembrar, é o filho da atriz Mia Farrow com o cineasta Woody Allen. É um jovem prodígio que se destacou em anos recentes nos Estados Unidos como repórter e também como assessor político de Hillary Clinton.

Suas reportagens, assim como textos assinados por Jodi Kantor e Megan Twohey no jornal The New York Times, em outubro de 2017, levaram a público a ação predatória de um dos maiores nomes da indústria cinematográfica. Dali em diante o movimento MeToo ganhou força --com mais e mais mulheres decidindo romper o silêncio e denunciar abusos e assédios de que haviam sido vítimas.

Farrow então escreveu um livro, que logo se tornou um best-seller, publicado em outubro de 2019 nos Estados Unidos, seguido, em novembro, pelo podcast. A edição brasileira da obra, traduzida como "Operação Abafa", saiu em janeiro de 2020 pela editora Todavia. E isso por si só chama a atenção para a potência narrativa - e de mercado - das histórias contadas em áudio.

Uma obra não canibalizou a outra: o podcast logo também se tornou um sucesso, figurando entre os mais ouvidos nas listas das plataformas de streaming.

A história das perseguições ao repórter e suas fontes para soterrar a investigação ganha muita força ao ser contada ao pé do ouvido, em primeira pessoa, pelo jornalista, pelos espiões e pelas mulheres que sofreram com a violência de Weinstein.

Talvez ainda mais impactante do que ler é escutar a voz e o relato de Ambra Gutierrez, modelo de 22 anos que foi uma das primeiras a denunciar o poderoso produtor de cinema.

Os episódios, de cerca de 30 minutos, têm bom ritmo, algo essencial para todo podcast, e em particular para os que são seriados.

Com trilha bem encaixada e áudios originais que ajudam a dar o contexto para a narração agradável de Farrow, tudo flui fácil --em duas lavadas de louça, mais três caminhadas ou viagens no transporte público, ouve-se esse documento de um importante momento histórico.

THE CATCH AND KILL PODCAST WITH RONAN FARROW

Onde: Disponível em Google Podcasts, Spotify, Apple Podcasts e Deezer

Avaliação: muito bom