Pílula causa depressão, diminui libido? Veja mitos e verdades do contraceptivo

Getty Images

Por: Dinalva Fernandes (@dinalvaf)

Dores de cabeça, inchaço, falta de libido, risco de trombose ou até mesmo o desejo de viver uma vida mais natural, sem a ingestão de hormônios sintéticos, leva muitas mulheres a deixarem de tomar a pílula anticoncepcional. A publicitária Ana Pace, de 33 anos, tomou a decisão por conta das constantes crises de enxaqueca, que associava ao método. “Com acompanhamento ginecológico, tentei usar outros anticoncepcionais, mas não melhorava. Levei alguns meses para fazer a transição e hoje não tomo mais a pílula”.

Receba novidades sobre o mundo dos famosos (e muito mais) no seu Whatsapp

Ela voltou a sentir aqueles sintomas, antes mascarados pelo método, como o fluxo desregulado, espinhas, TPM (Tensão Pré-Menstrual) e inchaço excessivo. E atualmente, Ana utiliza o DIU (dispositivo intrauterino), mas não descarta voltar à pílula. “Dependendo da composição e se não agredir o meu corpo, voltaria a usar”, revela.

Apesar de ser um dos métodos contraceptivos mais utilizados e conhecidos, o uso da pílula anticoncepcional ainda é cercado por muitas dúvidas. Remédios como antibióticos ou até mesmo um anti-inflamatórios, por exemplo, podem diminuir sua eficácia, segundo a ginecologista, obstetra e especialista em fisiologia hormonal Mariana Paiva. Confira mais mitos e verdades sobre a pílula:

Leia também: Candidíase no verão? Saiba como evitar e confira tratamentos naturais

O anticoncepcional pode prejudicar a amamentação. VERDADE
Pílulas com estrógenos não podem ser usadas na amamentação, pois podem interferir no aleitamento. Já as pílulas com progestágenos isolados e as minipílulas, podem ser usadas com segurança durante o aleitamento.

Medicamentos como antibióticos, anti-inflamatórios, antidepressivos e até remédios para emagrecer podem diminuir a eficácia da pílula. VERDADE
Por isso, a paciente deve informar todos os medicamentos que usa para que o médico possa avaliar o risco de interação medicamentosa e a interferência na eficácia da pílula.

Vômitos e diarreias podem diminuir a eficácia da pílula. VERDADE
Vômito e diarreia podem cortar o efeito da pílula anticoncepcional oral, se ocorrerem em até 4 horas após ter tomado o medicamento ou caso esses sintomas persistam por mais de 24 horas. Já anticoncepcional injetável, anel vaginal, adesivo ou DIU não perdem o efeito.

Bebida alcoólica altera o funcionamento do método. MITO
De uma maneira geral, o uso de álcool não interfere no efeito do anticoncepcional de uma maneira direta. O problema seria no uso abusivo desta substância e o fato de a embriaguez favorecer vômitos e esquecimentos da pílula, o que poderia prejudicar a eficácia.

Se esquecer por um dia, pode tomar o outro comprimido sem problemas. DEPENDE
Se o esquecimento for maior do que 12 horas, pode ser tomar até dois comprimidos no dia seguinte, dependendo da pílula. Porém, existem pílulas que não têm a mesma carga hormonal em todos os comprimidos, por isso, é importante avaliar com o médico.

Se tomar pílula por anos, pode ter dificuldade para engravidar. MITO
O uso crônico da pílula não traz dificuldade para engravidar. O problema está mais relacionado à faixa etária da mulher com mais de 35 anos. A idade interfere de maneira direta na perda de fertilidade.

Qualquer mulher pode tomar pílula anticoncepcional. MITO
Nem toda mulher pode tomar pílula. Existem mulheres que apresentam contra indicação para uso de hormônios, mesmo que por via não oral.

O corpo acostuma com os sintomas da pílula. DEPENDE
Às vezes, sintomas gastrointestinais como enjoo e escapes menstruais podem até melhorar, mas, na maioria dos casos, não é recomendável insistir em um medicamento que seu corpo está rejeitando. Caso haja sintomas que a paciente relacione diretamente com a pílula, o uso deve ser interrompido e comunicado ao ginecologista.

Pílula pode causar trombose e AVC. VERDADE
A pílula aumenta o risco de efeito trombótico. Esse risco é ainda mais potencializado em pacientes com alterações genéticas para trombofilias, fumantes, pacientes com doenças autoimunes, algumas doenças reumáticas, entre outras.

Pílula pode causar depressão. SEM CONCLUSÃO
Este assunto ainda é motivo de grandes discussões dentro da ciência. Alguns trabalhos mostram que pode haver uma associação entre anticoncepcional e depressão, mas ainda faltam mais estudos para estabelecer a relação de causa e efeito.

Pílula diminui libido e lubrificação. VERDADE
O uso leva a um bloqueio hormonal e diminuir lubrificação e libido feminina.

Pílula melhora o quadro de acne e espinhas. DEPENDE
Algumas melhoram muito a acne e, inclusive, essa ação terapêutica está prevista em bula. Porém, algumas podem até piorar a oleosidade da pele.

Pílula aumenta as crises de enxaqueca. VERDADE
As com estrogênio chegam a ser contraindicadas em pacientes com enxaqueca com aura.

Antes de começar a usar pílula, deve-se procurar um ginecologista. VERDADE
É muito importante a mulher procurar um médico de confiança para escolher o método mais seguro e indicado. Excluir riscos e respeitar critérios individuais é fundamental.