Picasso e Courbet, frente a frente pela primeira vez em exposição na França

·2 minuto de leitura
Jornalistas visitam a exposição "Courbet-Picasso, révolutions", na cidade francesa de Ornans.

O museu Courbet cria, pela primeira vez, um 'diálogo' entre Gustave Courbet e Pablo Picasso, em uma exposição na cidade francesa de Ornans (leste), que apresenta cerca de 60 obras dos dois artistas.

"É a primeira vez que Courbet e Picasso são comparados", disse o curador da exposição, Thierry Savatier.

Seus estilos são muito diferentes. Um deles, Gustave Courbet (1819-1877), é o pai do realismo. O outro, Pablo Picasso (1881-1973), é o fundador do cubismo.

No entanto, o que eles têm em comum é que ambos "revolucionaram a pintura, a arte e todo o panorama artístico francês e internacional, cada um em seu século", disse Benjamin Foudral, diretor do Museu Courbet de Ornans.

O próprio Picasso se referiu à virada artística iniciada por Courbet: "Um dia chegou um homem que disse: 'Não quero pintar anjos, porque nunca vi um'. Foi Courbet. Ele preferiu representar duas jovens deitadas às margens do Sena. (...) Courbet virou uma página e lançou a pintura na nova direção que seguiu durante anos".

A apresentação do quadro original assim nomeado pelo pintor espanhol, "Moças à margem do Sena" de Courbet é o destaque da exposição, que revela a influência pouco conhecida de Courbet sobre Picasso.

"Picasso descobriu Courbet ainda muito jovem, quando chegou a Paris em 1900. Ele foi um dos grandes mestres do século XX que observou muito Courbet ao longo de sua carreira", disse Foudral.

O espanhol comprou mais tarde uma pintura de Courbet para sua coleção pessoal, "Tête de chamois" (Cabeça de Camurça).

Segundo Savatier, Picasso também é "um pintor realista". "Quando Picasso diz: 'A tela de uma natureza morta com um monte de alho-poró deve cheirar a alho-poró' (...), isso mostra seu desejo de ser um artista realista, mesmo se sua realidade não corresponder necessariamente ao senso comum", afirmou.

A exposição também foca no compromisso político e social dos dois pintores. Ao longo de sua carreira, Courbet representou a pobreza dos mais desfavorecidos. Picasso também fez isso durante seu "período azul".

A exposição reúne um total de 60 obras dos dois mestres emprestadas de 15 museus, entre eles o de Orsay em Paris, os museus Picasso de Paris e Barcelona, na Espanha, e o museu Thyssen-Bornemisza de Madri.

as/meb/bl/aa

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos