Petrobras: preço do gás natural vai subir 39% em 1º de maio

Redação Finanças
Petrobras logo in employee's uniform. Executives of Brazilian state oil company Petrobras and Bolivian counterpart YPFB signed this week a contract for a US$1.2 billion natural-gas exploration venture in southern Bolivia. (Photo by Diego Herculano/NurPhoto via Getty Images)
Alta de 38% do preço do petróleo puxou o aumento de 39% previsto para entrar em vigor em 1º de maio
  • Preço de venda do gás natural para distribuidoras terá aumento de 39%

  • Reajuste já estava previsto para acontecer

  • Aumento do petróleo no 1º trimestre puxou a alta

A partir de 1º de maio, o preço de venda do gás natural para as distribuidoras será 39% maior. O anúncio foi feito pela Petrobras na manhã desta segunda-feira (5).

Segundo a estatal, o aumento do valor do metro cúbico tem como motivos a atualização já prevista das fórmulas dos contratos de fornecimento, que vinculam o preço à cotação do petróleo e à taxa de câmbio. A referência para o reajuste feito em maio são os preços do petróleo no primeiro trimestre do ano. Durante esse período, o combustível fóssil teve alta de 38%, seguindo a tendência de alta das commodities globais, segundo a companhia. 

Leia também:

Além disso, também é contado o IGP-M (Índice Geral de Preços do Mercado), que representa a parte de transportes nos contratos. “Os preços de gás natural da Petrobras também incluem o repasse dos custos incorridos pela companhia para o transporte do energético até o ponto de entrega às distribuidoras, que são definidos por tarifas reguladas pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). Esta parcela do preço é atualizada anualmente no mês de maio pelo IGP-M, que, para o período de aferição (março de 2020 a março de 2021), registrou alta de 31%”, diz a nota.

A estatal lembra que, em 2020, os preços repassado às distribuidoras chegou a ter uma redução acumulada de 35% em reais e 48% em dólares. O motivo foi a queda dos preços valor do petróleo à época.

Preço final

A Petrobras esclarece que o preço final do gás natural ao consumidor não é determinado apenas pelo preço de venda da companhia, mas também pelas margens das distribuidoras e postos de revenda, além dos impostos federais e estaduais. Além disso, o processo de aprovação das tarifas é realizado pelas agências reguladoras estaduais, conforme legislação e regulação específicas.