Pesquisa sugere que café reduz o risco de insuficiência cardíaca

·5 min de leitura
Top view of woman sitting by the window in coffee shop enjoying the warmth of sunlight and drinking coffee
Café pode reduzir o risco de insuficiência cardíaca. Foto: Getty

Muita gente toma café com leite, capuccino ou mocaccino para acordar de manhã, mas há poucos assuntos tão polêmicos quanto os efeitos da cafeína na saúde.

Por isso, os cientistas da Universidade do Colorado decidiram combinar os resultados de três grandes estudos e concluíram que tomar uma xícara ou mais de café por dia poderia reduzir os riscos de insuficiência cardíaca.

Leia também

A insuficiência cardíaca acontece quando o órgão não consegue bombear sangue pelo corpo com eficiência, normalmente porque está fraco ou rígido demais.

Esse problema tende a piorar com o tempo, limitando as atividades do paciente, e muitas vezes acaba sendo letal.

Por incrível que pareça, a pesquisa sugere que, para beneficiar a saúde do coração, o café deve conter cafeína.

The photo of heart is on the woman's body, Severe heartache, Having heart attack or Painful cramps, Heart disease, Pressing on chest with painful expression.
Foto: Getty

"A associação entre a cafeína e a redução do risco de insuficiência cardíaca foi surpreendente", conta o Dr. David Kao, autor da pesquisa.

"O café e a cafeína costumam ser considerados 'ruins' para o coração porque são associados a palpitações, pressão alta, etc.", diz ele.

"A relação consistente entre o aumento do consumo de cafeína e a redução do risco de insuficiência cardíaca rebate essa ideia".

"No entanto, ainda não há evidências suficientes para recomendar o aumento do consumo de café para a redução do risco de problemas cardíacos com a mesma certeza de outras receitas consagradas, como deixar de fumar, perder peso e fazer exercícios", conclui.

As doenças cardíacas são responsáveis por mais de um quarto das mortes no Reino Unido.

"O cigarro, a idade e a pressão alta são alguns dos fatores de risco cardíaco mais conhecidos, mas ainda existem outros fatores não identificados", conta o Dr. Kao.

Pesquisas recentes vincularam o café à redução do risco de diabetes tipo 2 e câncer de próstata.

No entanto, o consumo excessivo por mulheres grávidas foi associado a alterações cerebrais no feto que poderiam afetar o comportamento do bebê.

Muitas pessoas também têm palpitações e insônia quando tomam muito café.

"Os riscos e benefícios do café foram temas de muitas pesquisas científicas, devido à popularidade e à frequência de consumo da bebida no mundo todo", explica a Dra. Linda Van Horn, membro do comitê de nutrição da American Heart Association (AHA).

"No entanto, os estudos que comprovam associações com os resultados continuam relativamente limitados, devido a inconsistências na avaliação da dieta e nas metodologias analíticas. Além disso, as informações sobre o consumo alimentar vêm das próprias pessoas analisadas, e isso também é um problema", continua ela.

Para obter mais informações, os cientistas do Colorado aplicaram aprendizado de máquina na plataforma de medicina de precisão da AHA, examinando dados do Estudo de Framingham.

Esses dados foram comparados com os de um estudo sobre Risco de Aterosclerose nas Comunidades e outro sobre Saúde Cardiovascular.

Os três estudos tiveram mais de 21 mil participantes, acompanhados durante pelo menos 10 anos.

O resultado geral, publicado na revista Circulation: Heart Failure, da AHA, sugere que as pessoas que tomam uma ou mais xícaras de café com cafeína por dia têm "uma redução no risco de insuficiência cardíaca a longo prazo".

Especificamente no Estudo de Framingham, o risco de insuficiência cardíaca teve uma redução de 5% a 12% "ao longo de décadas", por xícara de café e por dia, em comparação com a ausência de consumo.

O consumo de zero a uma xícara de café por dia não foi relacionado à redução do risco de insuficiência cardíaca no estudo sobre Risco de Aterosclerose nas Comunidades.

No entanto, o risco teve uma redução de cerca de 30% entre os participantes que consumiram pelo menos duas xícaras por dia.

Hands of international hikers cheering up with camping cups, camping in forest, close up
Beber café pode ser benéfico para a saúde. Foto: Getty

Embora muitas pessoas considerem o café descafeinado mais saudável, os estudos apresentaram resultados variados em relação aos benefícios cardíacos dessa opção.

Os cientistas do Colorado concluíram que "o consumo de cafeína de qualquer fonte parece estar associado à diminuição do risco de insuficiência cardíaca. A cafeína foi pelo menos uma parte do motivo do aparente benefício do aumento do consumo de café".

Para beneficiar ainda mais a saúde, o café deve ser consumido sem açúcar. Também é bom evitar leite e outras preparações, que podem ser muito calóricas, especialmente aquelas que contêm xaropes.

"Embora não seja possível provar a causalidade, é interessante que os três estudos sugiram que o consumo de café está associado à diminuição do risco de insuficiência cardíaca e que o café pode fazer parte de uma dieta saudável se consumido puro, sem adição de açúcar e laticínios com alto teor de gordura, como o creme de leite", explica a Dra. Penny Kris-Etherton, ex-chefe do comitê de liderança do conselho de saúde cardiometabólica e estilo de vida da AHA.

"A conclusão é a seguinte: tome café com moderação e tenha uma dieta saudável para o coração, que atenda às quantidades recomendadas de frutas e verduras, cereais integrais e laticínios com baixo teor de gordura ou sem gordura, sempre com baixo teor de sódio, gordura saturada e açúcares adicionados", continua ela.

"Também vale lembrar que a cafeína é um estimulante. Por isso, o consumo exagerado pode fazer mal, causando insônia e ansiedade", conclui.

Os cientistas do Colorado destacaram que os participantes do estudo informaram o próprio consumo de café, o que pode ter provocado algumas imprecisões.

Também não levaram em conta o tipo de café consumido, a origem dos grãos, se era filtrado ou o tamanho da xícara. Tudo isso pode ter influência sobre a quantidade de cafeína consumida.

Além disso, os resultados não podem ser associados a bebidas como chás, refrigerantes ou energéticos, já que os estudos analisaram apenas o café.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos