Pesquisa Quaest: 34% dos brasileiros acreditam que corrupção vai aumentar no terceiro governo Lula

Uma nova pesquisa da Quaest, feita com entrevistas presenciais domiciliares em todas as regiões do país e obtida com exclusividade pelo Pulso, revela que, para 34% dos brasileiros, a corrupção vai aumentar no terceiro governo do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva.

No entanto, um percentual bem próximo, de 28%, acredita que os desvios nos cofres públicos ficarão em níveis iguais ao cenário atual do governo do presidente e candidato derrotado à reeleição, Jair Bolsonaro. Para quase um terço dos entrevistados (30%), a corrupção vai diminuir na nova administração do PT. São 8% os que não souberam responder. Foram ouvidas 2.005 pessoas entre os dias 3 e 6 de dezembro no levantamento feito em parceria com o Banco Genial. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou menos. Veja o gráfico abaixo.

O resultado final do segundo turno, com placar em votos válidos de 50,9% para Lula contra 49,1% de Bolsonaro, revelou um país rachado ao meio na polarização que marcou toda a campanha. Pouco mais de um mês depois da votação, chama a atenção o percentual dos 28% que preveem um cenário igual de corrupção daqui em diante. Em tese, essa população se afasta da profunda divisão entre lulistas e bolsonaristas nos meses eleitorais uma vez que não aposta numa queda ou aumento da corrupção após o retorno do PT ao poder. A campanha de Bolsonaro investiu muitas de suas fichas no discurso de que a volta de Lula seria o retorno da corrupção ao Brasil.

Entre os eleitores de Bolsonaro, 61% entendem que os crimes contra o dinheiro público vão aumentar, mas 20% acham que ficará tudo igual. Entre os que votaram em Lula, 33% acreditam que a corrupção não vai mudar, enquanto 48% apostam em um governo sem escândalos. Veja os números completos abaixo: