Porque o peso de mulheres como Adele e Lizzo preocupam tanto (até quando)?

Lizzo (Foto: Instagram)

Adele perde peso e recebe uma chuva de críticas. Lizzo é gorda e recebe uma chuva de críticas. Logo se vê que é bastante difícil para as pessoas aceitarem o corpo de uma mulher como ela deseja. Aliás, a própria Lizzo mostrou que não veio ao Brasil para brincadeiras ao responder um repórter brasileiro depois de ser questionada, mais uma vez, sobre o seu peso

Já conhece o Instagram do Yahoo Vida e Estilo? Siga a gente!

Seja Adele com uma "nova silhueta", seja Lizzo com a silhueta atual, existe uma necessidade constante de dizermos o que pensamos e achamos sobre os corpos femininos e o que isso nos conta sobre o seu caráter. 

Logo que apareceu mais magra - dizem que são 45 quilos a menos -, Adele já virou assunto de uma série de outras notícias, muitas contando como ela fez para perder tanto peso, o que comeu ou deixou de comer, os exercícios que fez e até a rotina que está seguindo agora. 

Leia também

O que Lizzo comentou na tal entrevista não poderia ser mais pertinente: as pessoas não falam sobre o tamanho de um pênis masculino ou do peso de um homem como falam dos corpos das mulheres. Esse comportamento é um reflexo absoluto da forma como a imagem feminina foi construída ao longo do tempo. 

Vale lembrar, também, dois casos que chamaram a atenção e que mostram, justamente, como a aparência feminina é algo de comentários independentemente do contexto. O Ministro da Economia, Paulo Guedes, falou sobre a aparência da primeira-dama francesa Brigitte Macron, durante um evento - e foi aplaudido. Disse depois que foi "brincadeira'. Na mesma onda, vimos o próprio presidente Jair Bolsonaro fazer comentários nas redes sociais sobre de Brigitte, uma forma de atacar o presidente francês Emmanuel Macron. A história toda gerou uma tensão política entre os dois países que, até hoje, reverbera. 

Ao longo do tempo, o corpo feminino virou um objeto. Foi o que explicou a médica Marcela, uma das participantes do 'BBB 20', ao dizer "vontade a gente tem de comida, não de mulher". Por mais que, no dito popular, as duas coisas se confundam. 

Uma das pesquisas mais marcantes sobre a autoesitma no mundo foi feita pela empresa de beleza Dove, que liberou um relatório global explicando que essa é uma questão crítica no mundo inteiro.

Foi nessa pesquisa, feita com mais de 10 mil mulheres e meninas em 13 países, que descobrimos que 9 entre 10 mulheres desistem de compromissos importantes com amigos ou familiares por conta de como se sentem em relação a sua aparência - 9 entre 10 também dizem que se forçam a parar de comer por conta disso. Para as meninas, a relação é de 7 em cada 10. 

Falando especificamente do Brasil, uma pesquisa desenvolvida pela Kantar mapeou a autoestima da mulher brasileira e mostrou que fatores como autonomia financeira, autonomia sexual e corporal, liberdade de pensamentos e expressão, representatividade e conexões sociais determinam a forma como elas se veem. Os dois primeiros pontos, aliás, são os que têm mais peso no assunto. 

O resultado? 20% das mulheres se sentem com uma autoestima muito mais baixa do que a média. 

O fato da independência financeira ser um ponto chave na autoestima feminina tem uma relação direta com o assunto deste texto. Isso porque, ao contrário dos homens, as mulheres são muito mais julgadas pela aparência do que o sexo oposto, inclusive no ambiente de trabalho. Mulheres que tem semelhança com um padrão de beleza defendido tem mais espaço dos que as estão distante dele. 

No mundo da música, é fácil perceber como isso acontece. As cantoras são infinitamente mais manchetes quando ganham ou perdem peso do que quando lançam uma música nova ou fazem um novo projeto. Para os homens, no entanto, não é a mesma coisa. Vale lembrar que, recentemente, Jennifer Lopez foi uma das primeiras mulheres que são mães e latinas a subir no palco do Super Bowl, um fato que foi nublado pela sua aparência e por ter passado dos 50 anos e ainda estar "em forma". Se algum dia falou-se coisas semelhantes sobre Mick Jagger ou Paul McCartney, nunca vimos. 

Os tempos são outros. Quem diria que viveríamos para ver o 'BBB' dando uma aula de sororidade para o Brasil inteiro ver - e viralizando no processo. Falar sobre a aparência de uma mulher de forma a defini-la pelo o seu corpo já é uma visão de mundo antiga que, de fato, precisa sumir. Ao longo do tempo, a autoestima e a representatividade feminina foi muito afetada pela forma como os seus corpos são vistos pela sociedade e, como a própria Lizzo falou, o seu sucesso vem do fato de que ela trabalhou muito para chegar onde chegou, sua aparência é só um ponto bastante pequeno em todo esse processo.