Pequena Lo, fenômeno no TikTok: “Faltam deficientes na TV e eu quero chegar lá”

·4 minuto de leitura
Pequena Lo é personagem da influencer Lorrane Silva (Foto: Reprodução/Instagram @_pequenalo)
Pequena Lo é personagem da influencer Lorrane Silva (Foto: Reprodução/Instagram @_pequenalo)

Se podemos enumerar algumas poucas coisas boas que o período da quarentena nos trouxe, certamente uma delas é a presença da influencer humorista Pequena Lo ao TikTok e Instagram. A mineira, de 24 anos, virou o grande fenômeno das redes sociais neste período e vem conquistando um público gigante, incluindo famosos, com seus videos leves e divertidos.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 minuto e receba todos os seus e-mails em um só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Instagram, Facebook e Twitter

Psicóloga, palestrante e humorista, ela já acumula mais de 17 milhões de visualizações no Tik Tok. No Instagram já são quase 700 mil seguidores.

Porém, não é de hoje que Lorrane usa o humor para conquistar as pessoas. A influencer, que é portadora de uma síndrome chamada “Displasia óssea”, nasceu com os membros curtos, e resolveu se aventurar na internet em 2015 criando videos que falassem com leveza do bullying e preconceito com PCDs (Pessoa com Deficiência).

Leia também

“A minha intenção sempre foi ter leveza nos meus conteúdos. O humor nos ajuda a passar por períodos complicados, como este que estamos vivendo numa pandemia. Adoro receber mensagens de pessoas que dizem que eu melhorei o dia delas, que elas conseguiram relaxar. É justamente essa a minha intenção”, conta a Pequena Lo em entrevista exclusiva ao Yahoo.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

A jovem diz que sempre gostou de fazer piada de tudo com seus amigos e familiares, mas conta que quando levou este conteúdo para a internet lidou com muito preconceito e críticas. A psicologia, profissão que Lorrane carrega há pouco tempo, a ajudou a vencer o medo e o capacitismo que tentavam exercer sobre ela.

“As pessoas me receberam com muito preconceito na internet. Mas eu costumo contar que sou muito grata pela criação que tive da minha família e que me ajudou a formar quem sou hoje e como enfrento os olhares dos outros. Sei que sou capaz de tudo. A psicologia também me ajudou com isso. Me ajudou a me conhecer, a saber lidar com o outro, a ter o dom da comunicação. Quando você se torna uma figura pública as pessoas te pegam como espelho, então eu tenho cuidado com tudo que falo e com o conteúdo que levo. Minha intenção é alegrar”, destaca Lo.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Quero ser apresentadora de TV’

Com seu talento reconhecido por nomes como Whindersson Nunes, Tirulipa e Tatá Werneck, a Pequena Lo quer ir ainda mais longe e ocupar também o espaço que seus ídolos humoristas já ocupam. A jovem sonha em ser referência na televisão.

“É muito raro ver um deficiente na televisão e eu quero chegar lá. Quero ser atriz, apresentadora de TV, e quero mudar esse tabu contra a pessoa com deficiência. Precisamos normalizar pessoas com deficiência em todos os ambientes. As pessoas não estão acostumadas, mas precisam mudar o modo de pensar em relação a isso. O deficiente é capaz de fazer o que ele quiser”, aponta a jovem.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Precisamos falar da falta de acessibilidade’

Com uma voz que hoje alcança milhões, Lorrane sabe que pode exercer um papel de referência na vida de muitas pessoas com deficiência, principalmente quando o assunto é acessibilidade. Ela lembra que já precisou que sua mãe fosse até a prefeitura da cidade onde morava para pedir que construíssem rampas no caminho de sua casa até a faculdade, um percurso que Lo fazia sozinha.

“É claro que falta muita acessibilidade para nós. Quando minha mãe pediu para que construíssem rampas no caminho de casa até a faculdade, nos informaram que não sabiam que não existiam essas rampas. Ou seja, não estão nem atentos a isso. E nós precisamos ir atrás dos nossos direitos”, aponta a humorista, que dá outros exemplos: “Prateleiras de supermercado são altas, botões de elevador são altos demais, fora o jeito que as pessoas te olham, te tratam. Acham que por eu usar muleta tenho incapacidade de ser independente. Eu ia em lojas com a minha mãe e o vendedor não falava comigo, perguntava para ela o que eu queria, como se eu não tivesse o poder de escolha. Precisamos dar uns empurrões para que as pessoas percebam que estão erradas.”

Ocupando seu espaço e mostrando sua representatividade, Lorrane sabe que pode ir longe, e comemora já lucrar com seu trabalho com humor no ambiente virtual: “Muitas marcas já me procuram e estou trabalhando com publicidades. É ótimo ver que está me dando retorno financeiro também.”

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos