Sem calvície: Paulinho Vilhena e Jassa fazem transplante capilar. Entenda o procedimento

Paulo Vilhena faz transplante capilar para reverter a calvície (Foto: Reprodução/Instagram @vilhenap)

A calvície é uma queda de cabelo genética que é muito comum entre homens de 40 a 50 anos. O ator Paulo Vilhena fazia parte do time dos calvos - agora não mais. Ele revelou nas redes sociais que passou por um novo transplante capilar recentemente para reverter o quadro, já que outros procedimentos não surtiram efeito.

Já conhece o Instagram do Yahoo Vida e Estilo? Siga a gente!

Desta vez, ele está confiante no resultado. “Logo menos to de franja no rolê”, brincou em um post no Instagram. O procedimento inovador, mas pouco conhecido que Paulinho investiu chamou atenção dos seguidores.

Leia também:

O cirurgião plástico responsável pelo procedimento, Antonio Ruston, conta em entrevista ao Yahoo que o transplante capilar é uma das soluções saudáveis para o problema e não deve ser confundida com implante. “As pessoas ainda falam sobre o transplante usando o termo ‘implante’. Não se faz mais implante capilar com fios sintéticos no Brasil há, pelo menos, 20 anos”, explica. A técnica que já não é consenso entre os profissionais da área pode causar infecção e rejeição.

Paulo Vilhena e o cirurgião plástico Antonio Ruston (Foto: Reprodução/Instagram @vilhenap)

Transplante capilar: o que é e como é feito?

O transplante capilar consiste em tirar unidades foliculares (cada uma contém de 1 a 3 fios) que não possuem o gene da calvície de outras áreas do cabelo e colocar nas regiões calvas. Podemos resumir o transplante como uma redistribuição inteligente. Também é possível transplantar unidades foliculares de áreas secundárias, como o posterior e as laterais da cabeça. Atualmente, os cirurgiões plásticos apostam em dois tipos de transplantes: FUT e FUE.

Leia mais: Pinta no punho vira um grande mistério nas redes sociais. Entenda o caso!

O FUT (abreviação de folicular unit transplantation) é o método mais conhecido e há corte. Aqui, remove-se uma faixa do couro cabeludo, o cirurgião seleciona as unidades foliculares da parte que saiu para cobrirem os “vazios” que a calvície deixa.

O FUE (abreviação de folicular unit extraction) foi a escolha de Paulinho Vilhena. Neste método, as unidades foliculares são extraídas uma a uma pela raiz de áreas saudáveis do cabelo e colocadas uma a uma de volta nas áreas calvas. Vale dizer que o cabelo não volta a crescer nas regiões em que os grupos de fios são retirados. Por isso, os cirurgiões selecionam fazem a remoção de lugares diferentes para que não fique um buraco em uma determinada área da cabeça.

O transplante capilar FUE ainda é uma cirurgia. Consiste em incisões muito pequenas, mas são bem menos invasivas e o período pós-operatório é bem menos doloroso. Segundo Ruston, ele é feito com anestesia local e sedação do paciente. O tempo do procedimento de um caso mais complexo pode chegar até 10 horas.

Cabelo para a vida inteira

Os fios que são aplicados na área calva são para sempre. Aquela região não ficará lisa novamente. “Para realizar a técnica FUE, é necessário raspar os cabelos da área doadora, mas o Paulinho resolveu raspar tudo”, conta o cirurgião plástico. De início, os fios transplantados vão cair e começam crescer definitivamente em 3 ou 4 meses. O resultado final da cirurgia, de acordo com Ruston, aparece em um ano.

Paulo Vilhena faz transplante capilar para reverter a calvície (Foto: Reprodução/Instagram @vilhenap)

A partir daí, os cabelos da área que um dia foi calva têm o ciclo de vida de fios normais: eles caem, mas crescem de novo. Paulinho Vilhena cobriu as regiões frontal (as famosas “entradas”) e a coroa, bem no topo da cabeça. O ator teve cerca 8 mil fios transplantados, o que é um número expressivo de acordo com Antonio Ruston.

Transplante queridinho dos famosos

Não foi só Paulo Vilhena que apostou no FUE. Jassa, o cabeleireiro de Silvio Santos, também fez o transplante capilar. Ele, no caso, foi submetido a uma versão do procedimento em que robôs colhem os grupos de fios do cabelo em vez de um cirurgião plástico. Moderno!

O cirurgião plástico José Carlos Pereira é o médico de Jassa e até compartilhou um vídeo no Instagram para mostrar como os seus robôs funcionam neste caso. Olha só:

Quem investe no transplante FUE tira do bolso pelo menos R$ 20 mil. Não é um procedimento tão barato... Mas o médico ressalta: nem todos os casos de calvície são cirúrgicos. É possível tratá-la com medicamentos a partir dos 18 anos de idade. Está sofrendo com a calvície? Dica: procure um especialista!