Missa de Sétimo Dia de Paulo Gustavo ocorre aos pés do Cristo Redentor

·2 minuto de leitura
**ARQUIVO** SÃO PAULO, SP, 10/06/2013: O ator Paulo Gustavo no Cinemark do Shopping Eldorado. (Foto: Zanone Fraissat /Folhapress)
**ARQUIVO** SÃO PAULO, SP, 10/06/2013: O ator Paulo Gustavo no Cinemark do Shopping Eldorado. (Foto: Zanone Fraissat /Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Familiares e amigos próximos de Paulo Gustavo estão reunidos nesta terça-feira (11) para a Missa de Sétimo Dia dele. O ator e humorista morreu no dia 4 de maio em decorrência de complicações causadas pela Covid-19.

A cerimônia pode ser acompanhada por fãs e admiradores por meio do canal pago Multishow e da Globoplay, que abriu o sinal para que mesmo quem não é assinante possa assistir. De acordo com a assessoria de imprensa de Paulo Gustavo, trata-se de uma "retribuição a todas as manifestações de carinho" que a família dele tem recebido.

A missa está sendo realizada pelo Padre Omar, o mesmo que participou da cremação do ator. A celebração ocorre no Santuário Cristo Redentor, aos pés do famoso cartão postal do Rio de Janeiro.

Comunicado enviado à imprensa afirma que a celebração seguirá as normas internacionais contra o coronavírus e as regras da Arquidiocese do Rio de Janeiro e da Vigilância Sanitária. "Na missa, restrita a parentes e amigos próximos do artista, homenagens serão feitas ao ator e a todas as vítimas da Covid-19", diz o texto.

Paulo Gustavo morreu aos 42 anos, após quase dois meses internado em um hospital da zona sul do Rio, devido a complicações da Covid. Antes da confirmação de morte, a equipe médica já tinha classificado seu quadro como irreversível.

"Após a constatação da embolia gasosa disseminada ocorrida no último domingo, em decorrência de fístula brônquio-venosa, o estado de saúde do paciente vem deteriorando de forma importante", afirmava o último boletim médico.

O ator foi internado no dia 13 de março e respondeu bem ao tratamento. Porém, no dia 2 de abril, seu estado piorou e ele passou a respirar com a ajuda de ECMO (Oxigenação por Membrana Extracorpórea), uma espécie de pulmão artificial.

Nos dia seguinte, a equipe médica identificou uma fístula broncopleural, espécie de comunicação anormal entre os brônquios e a pleura, que foi corrigida. Paulo Gustavo também teve que receber uma transfusão de sangue, segundo seu marido.

Dias depois foi realizada uma toracoscopia, na qual uma nova fístula broncopleural foi identificada e corrigida. "Todos os profissionais têm se empenhado incessantemente pela sua recuperação", afirmava boletim médico divulgado no último dia 11.