Paulo Coelho tem falsa morte anunciada por autor de pegadinha contra Ferrante

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Depois de divulgar a falsa morte da escritora Elena Ferrante, o brasileiro Paulo Coelho foi uma nova "vítima" do professor italiano Tommaso Debenedetti nesta segunda (5).

Ao contrário da primeira, que chegou a ser publicada pelo jornal britânico The Independent e logo retirada do ar há duas semanas, dessa vez a postagem, feita em um perfil falso da editora Companhia das Letras --que publica o autor pelo selo Paralela--, nãoo teve a mesma repercussão imediatista em veículos brasileiros e foi tirada do ar.

A publicação no Twitter trazia apenas uma antiga foto em baixa resolução do autor com a frase "escritor Paulo Coelho morre de infarto aos 75 anos", além de uma versão em inglês.

Debenedetti, que sempre assina as suas pegadinhas, usou o mesmo método empregado para "matar" Elena Ferrante, quando copiou o perfil de uma editora espanhola, dizendo que a morte da autora --que se esconde sob um pseudônimo-- tinha sido confirmada por seu editor.

O italiano cria notícias do gênero há cerca de uma década, e já anunciou a falsa morte de outros escritores e personalidades públicas em frequência praticamente semanal. Kazuo Ishiguro, Haruki Murakami, Margaret Atwood, o papa Bento 16, Fidel Castro são alguns dos nomes desse portfólio macabro.

Suas farsas incluem ainda a invenção de entrevistas de autores como John Grisham, Arthur Miller, Gore Vidal, Toni Morrison, Derek Walcott e Philip Roth, que chegaram a ser vendidas para jornais italianos. O farsante foi descoberto pela primeira vez em 2010, quando um jornalista perguntou a Roth sobre as suas críticas a Obama numa entrevista ao jornal italiano Libero. O escritor negou ter dado a entrevista.