Pastora trans adota menino especial e menina transexual

Reprodução/Arquivo Pessoal/Neto Lucon

Histórias como essa deveriam ajudar a reduzir o preconceito contra pessoas trans e inspirar o amor e aceitação. O jornalista Neto Lucon foi quem deu a notícia da pastora transgênero Alexya Salvador, de 36 anos, que adotou duas crianças pra lá de especiais (literalmente).

Leia mais: Pais abandonam o próprio filho por ter recebido doação de sangue de transgênero

Alexya e seu marido Roberto agora são pais de um menino com necessidades especiais e uma menina trans. Gabriel, o primeiro filho, foi encontrado pelo casal em um abrigo de Mairiporã, onde receberam uma reação de surpresa dos funcionários ao saberem que eles queriam uma criança diferente.

“Nossa, tanta criança saudável, você vai escolher justo o que é doentinho? Vai escolher o doente?”, disse uma das funcionárias do local. Alexya é pastora na Igreja da Comunidade Metropolitana e após a adoção de Gabriel, ela foi ainda mais longe ao adotar Ana Maria, uma menina trans.

Reprodução/Arquivo Pessoal/Neto Lucon

“Mainha, tenho uma coisa para te contar. Eu não sou um menino, eu sou uma menina. A senhora vai me amar mesmo assim?”, disse a menina para a nova mãe. O fato fez com que Alexya se empenhasse ainda mais para garantir que a criança se expressasse da melhor maneira.

Leia mais: Mulher trans se torna a primeira do mundo a amamentar

“Nasci para ser mãe. Além de ter nascido para ser filha, esposa, pastora, vou ser a primeira reverenda trans da América Latina, eu nasci para ser mãe. Quero encorajar todas as pessoas transgêneras que desejam ser pai ou mãe. É possível sim. A família transafetiva existe”, afirmou Alexya.