Parada LGBTQIA+ terá Liniker, Pabllo Vittar, Luísa Sonza e Ludmilla

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
É uma edição pop, com um time de artista cheio de seguidores, também diverso na representação de sexualidade, gênero e identidades musicais. (Foto: Mauricio Santana/Getty Images)
É uma edição pop, com um time de artista cheio de seguidores, também diverso na representação de sexualidade, gênero e identidades musicais. (Foto: Mauricio Santana/Getty Images)

A programação da 26º Parada do Orgulho LGBT de São Paulo parece pensada para os participantes cantarem juntos. É uma edição pop, com um time de artista cheio de seguidores, também diverso na representação de sexualidade, gênero e identidades musicais.

Programação

Já nesta quinta-feira (16), o evento dá largada da sua programação com a tradicional feirinha de artesanatos, gastronomia e arte realizada no largo do Arouche, região central da cidade, entre 10h e 22h.

No domingo (19), dezenove carros vão compor o conjunto da marcha, que começa na avenida Paulista ao meio-dia. Os palcos vão receber artistas como as cantoras Pabllo Vittar, Luísa Sonza, Liniker e Ludmilla.

Liberdade

Ídolos de uma geração mais jovem e mais familiarizada com os discursos de liberdade de gênero, todas elas consolidam um bloco feminino de grande aproximação com a periferia.

Pabllo e Ludmilla trazem da cultura das favelas o funk, com releituras que passam inclusive pelo k-pop. Liniker contribuí com repertório aberto ao pop, ao jazz e ao pagode. Luísa Sonza faz mix de gêneros marcados pela sensualidade.

Horários

Os horários das apresentações não foram divulgados. A Parada só confirmou que Pablo se apresenta por volta das 15h.

A geração anos 1980 não vai ficar de fora, e tem sua mais expressiva representação com a cantora Gretchen. A Parada também se vale de um time de DJs, encabeçados por Cris Negrini e Heey Cat.

O rap também ganha espaço com o Quebrada Queer, cujas performances são marcadas por figurinos exuberantes e que borram os limites de identidades de gênero, com músicas sobre preconceitos, violência e liberdade.

Também estão na lista as cantoras Majur, a drag e cantora Aretuza Lovi, o cantor Mateus Carrilho, da banda Uó e MC Rebecca. Chorinho do carnaval, também entram nas avenidas os blocos Minhoqueens e Agrada Gregos, que o site da Parada classifica como o maior bloco LGBTQIA+ do país.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos