Para turbinar esportes americanos, ESPN prioriza comentarista e narradores jovens

LEONARDO VOLPATO

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Os canais ESPN no Brasil estão em um processo de reformulação em seu quadro de comentaristas esportivos desde que a Disney comprou a Fox. Entraram no time de comentaristas o paulistano Weinny Eirado, 28, que venceu um concurso de talentos proposto pela emissora, além dos narradores Matheus Suman, 24, e Matheus Pinheiro, 22. 

Eirado já trabalhava como repórter aéreo na rádio CBN e aliará as duas funções. O jornalista foi o vencedor da competição que elegeria um novo membro para comentar esportes americanos, tais como futebol americano, beisebol, basquete e hóquei. Para ele, é um privilégio trabalhar com aquilo de que gosta desde pequeno. 

"Essa é das maiores chances que já tive na vida porque passei anos do outro lado da tela. Cresci assistindo as modalidades e fui fazer faculdade pensando em me tornar um jornalista de esportes. Portanto, é a minha maior vitória", comenta Eirado, que já morou por alguns anos nos Estados Unidos.

Sua estreia foi durante uma transmissão de beisebol. Ele diz que buscou dados estatísticos e histórias sobre a modalidade, porque "audiência não quer só comentário, ela quer aprender com aquilo". Ele revela que o nervosismo o tirou um pouco do prumo nas primeiras transmissões, mas que com o tempo tudo ficará mais fácil.

Eirado já convive com a rotina do rádio há sete anos e está acostumado controlar a respiração na hora de falar. Rádio é diferente da TV. "Quero tentar marcar meu lugar na emissora. Na história, eu já marquei por ser vencedor do primeiro reality do canal", diz.

Junto a Eirado chegam os novos narradores, ambos de nome Matheus. O de sobrenome Suman, de 24 anos, já estava na ESPN desde 2016 como produtor. Porém, pelos corredores gostava de mostrar o material que possuía como narrador para os grandes locutores da ESPN. Foi, então, que recebeu a tão sonhada chance para elevar seu patamar.

"As referências desse meio estão aqui dentro. Everaldo Marques, Ari Aguiar, Rômulo Mendonça. Saía com eles para produzir conteúdos e sempre trocávamos figurinhas. E eu sempre olhando de perto a forma como eles narravam", diz.

"Sempre tive liberdade de perguntar para eles, pedir feedback. É bom ouvir de pessoas que estão na área", complementa o narrador, que sempre curtiu os jogos da NBA, mas que, após entrar na emissora, se aprofundou em outros esportes americanos.

Matheus Pinheiro, narrador de 22 anos e natural de Santos (litoral paulista), passou seis anos atuando de forma voluntária com narrações em web rádios. Já em 2018, Pinheiro foi contatado pela TV Tribuna, a Globo de Santos, para trabalhar com reportagens em geral, de outros assuntos que não o esporte. 

Mas parece que sua realização chegou mesmo depois de ter sido descoberto pela ESPN e ser chamado para um teste, no qual passou. "Narração sempre, desde pequeno, foi minha paixão. Ficava narrando até jogo de videogame sozinho, pelada na rua. Hoje realizo meu grande sonho de criança."

Desde que chegou ao canal, Pinheiro tem recebido o carinho e o apoio de muita gente. Mas ele elege três pessoas em especial que têm sido fundamentais para a sua rápida adaptação. "Everaldo [Marques, narrador] tem me dado toques e dicas durante as transmissões. A [comentarista] Paula Ivoglo falou bem de mim lá dentro. E principalmente o [comentarista] Paulo Mancha que foi o meu primeiro comentarista na estreia. Criamos muito entrosamento."

Certo de que está apenas no começo da jornada, Pinheiro diz como ele se imagina daqui algum tempo dentro da emissora. "Primeiro me solidificar, aprender mais, continuar tendo boas referências e estudar tudo do esporte. Imagino, bem mais para frente, narrar um Super Bowl", almeja o locutor, sobre a final do futebol americano, que é exibida sempre no mês de fevereiro.