Para evitar testes de cosméticos em animais, laboratório cria pele humana artificial

Divulgação/MatTek

Parece até um episódio de Black Mirror, mas é realidade. O laboratório MatTek, em Boston, nos Estados Unidos, está criando pele humana para as empresas de cosméticos e higiene pessoal realizarem seus testes.

A ideia é que a pele artificial ajude a acabar com os testes realizados em animais, muito comum entre as gigantes do mercado. A pele possui espessura fina com menos de um milímetro e textura gelatinosa.

O processo usa pele de verdade coletada de pacientes que passaram por procedimentos cirúrgicos, sempre com a autorização dos doadores. A empresa desenvolve peles de todas as idades, sexo e raças, para que os testes sejam realizados com perfeição.

E para quem acha que a pele de mentira é muito diferente da nossa, se engana. “Você não será capaz de dizer a diferença apenas olhando para ela”, garante o presidente da MatTek, Mitch Klausner.