Papa brinca com freira que pediu beijo e pede para que ela não o morda

João Pedro Malar*


O papa Francisco protagonizou um momento descontraído nesta quarta-feira, 8. Uma freira pediu para que o pontífice a beijasse e ele disse que só o faria se ela não o mordesse, o que rendeu risadas de quem estava ao redor.

A freira, que parecia bastante empolgada, fez a promessa e o papa beijou sua bochecha direita. Feliz, a mulher chegou a pular e agradeceu o pontífice. A conversa ocorreu no início da audiência geral semanal de Francisco.


As circunstâncias e a reação de Francisco foram diferentes de quando ele deu um tapa na mão de uma fiel que o puxou pelo braço. A situação ocorreu em dezembro de 2019, e o comportamento do pontífice rapidamente gerou comentários nas redes sociais. O papa, posteriormente, se desculpou pelo ato, dizendo que deu um “mau exemplo”.


No geral, Francisco é visto como um papa mais informal do que os seus antecessores. É comum, em eventos religiosos, que ele pare para beijar bebês e abençoe deficientes, permitindo que centenas de pessoas toquem sua mão. Entretanto, ele não gosta de permitir que as pessoas beijem sua mão, pois teme que o gesto acabe espalhando germes.


Relembre falhas na segurança do papa Francisco

Mesmo correndo poucos riscos no incidente de dezembro, o papa já chegou a passar por situações de maior insegurança.

Em julho de 2013, quando visitou o Brasil durante a Jornada Mundial da Juventude, o carro de Francisco foi cercado por fiéis no trânsito do Rio de Janeiro, e diversas pessoas chegaram a tocar o papa. Nada de grave ocorreu.

Em 2016, em uma visita ao México, o papa se irritou com uma fiel que estava puxando ele com bastante força e quase o derrubou. “Não seja egoísta”, Francisco chegou a dizer, visivelmente irritado.

Com informações da Reuters e da ANSA

*Estagiário sob supervisão de Charlise Morais