Papa beija tatuagem em braço de sobrevivente de campo de concentração

·1 minuto de leitura
Papa recebe Lidia Maksymowicz, sobrevivente de campo de concentração

Por Philip Pullella

CIDADE DO VATICANO (Reuters) - O papa Francisco beijou o número tatuado no braço de uma sobrevivente de experimentos médicos no campo de concentração nazista de Auschwitz quando ela lhe foi apresentada nesta quarta-feira.

O papa ouviu atentamente enquanto um padre polonês que acompanhava Lidia Maksymowicz, de 80 anos, lhe contava a história da sobrevivente.

Depois ela arregaçou a manga esquerda para lhe mostrar o número – 70072. Ele o beijou e ela o abraçou.

Maksymowicz e a família foram levados de sua casa em Belarus ao campo de extermínio nazista na Polônia ocupada pelos alemães em dezembro de 1943, pouco antes de seu terceiro aniversário.

Ela foi colocada em um alojamento infantil, onde foi submetida, junto com outros, a experimentos médicos do doutor Josef Mengele, de acordo com um documentário sobre sua vida.

Após a liberação do campo, em 1945, soldados russos supuseram que sua mãe, Anna – tatuada com o número 70071 – estivesse morta. Ela foi adotada e criada por uma família católica polonesa.

Nascida Ludmila Boczarowa, ela não sabia que sua mãe biológica havia sobrevivido, e as duas se reencontraram pouco antes da morte desta, no início dos anos 1960.

Maksymowicz, que mora em Cracóvia, na Polônia, é o tema de um documentário chamado "70072: The Girl Who Couldn't Hate. The True Story of Lidia Maksymowicz".

Ela se encontra com jovens em escolas com frequência para debater os perigos do extremismo e do populismo.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos