Pandemia do novo coronavírus relança a quarta revolução industrial

Por Luc OLINGA
·3 minuto de leitura
Impressoras 3D da empresa espanhola BCN3D fabrica peças para máscaras de proteção, em 30 de março de 2020 na Catalunha.

Com a fabricação emergencial de equipamentos de proteção individual para os profissionais de saúde, a pandemia de coronavírus tem impulsionado a impressão 3D.

A crise, que afeta as redes de abastecimento, conseguiu em poucas semanas o que os entusiastas da quarta revolução industrial tentam fazer há 40 anos: acelerar a adoção da tecnologia 3D para além das universidades e pequenos empreendimentos.

Na Itália, país europeu mais afetado pela COVID-19, a jovem Isinnova, especialista em impressão 3D, trabalha para adaptar uma máscara de mergulho Decathlon para responder à falta de respiradores.

O movimento já teve um grande impacto: na França, a Volumic obteve a validação de 260 laboratórios (Cerballiance) para impressão de testes para triagem de doentes.

"A impressão 3D é adequada para situações de emergência", disse à AFP Arthur Wheaton, professor especializado em fabricação e questões sociais na Universidade de Cornell em Nova York.

- "Flexível" -

"Diferentemente da produção industrial tradicional, que exige máquinas específicas, criadas em fábricas específicas, a impressora 3D é muito flexível", disse Greg Mark, fundador e diretor-executivo da Markforged, fábrica americana de impressoras 3D.

"Simplesmente é necessário um arquivo de computador diferente. Se você deseja que a impressora passe da impressão das máscaras para a impressão de fones de ouvido, outro arquivo é inserido. Em uma fábrica tradicional, é preciso remover e instalar equipamentos adaptados ", explica.

Segundo Mark, sua companhia recebe muitos pedidos, um sinal do atual sucesso da impressão 3D.

Há quatro anos, em feiras de exposição e negócios, muitos visitavam seu estande com uma mistura de curiosidade e ceticismo. Segundo ele, o último ano representou um divisor de águas.

"A maioria dos visitantes já conhecida a impressão 3D. Eles sabiam como usá-la e já eram possíveis negociações mais detalhadas", lembra.

É o caso do grupo industrial Würth Industry North America (WINA), que agora reúne impressoras 3D e funcionários em suas fábricas.

"Agora produzimos mais rapidamente e reduzimos o custo de armazenamento. Também podemos cortar despesas com insumos e transporte", diz Dan Hill, diretor-executivo da empresa.

- Produção em massa -

A impressão 3D é um processo de fabricação que surgiu na década de 1980. Consiste em converter um modelo digital em um sólido objeto tridimensional.

Embora as técnicas utilizadas sejam diferentes, o princípio é sempre o mesmo: sobreposição de camadas de materiais. A diferença é a maneira como as várias camadas são depositadas e tratadas e o tipo de material utilizado.

O usuário precisa de uma impressora 3D, insumos (filamentos, pó ...), um arquivo de informática, um computador e um programa para modelar o objeto.

Além da medicina, a aeronáutica, joalherias, o design e a indústria alimentícia passaram a utilizar a impressão 3D.

Embora as empresas otimizem o tempo de fabricação e se tornem menos dependentes de sua cadeia de suprimentos, a qualidade do acabamento permanece imperfeita e, devido ao estado atual da tecnologia, é difícil imaginar uma produção em massa ou de bens complexos e duráveis.

A impressão 3D não é portanto, "uma grande ameaça à produção industrial clássica, porque a qualidade e os custos não são tão bons quanto nos processos de fabricação tradicionais", diz Art Wheaton.

Além disso, segundo ele, o custo das impressoras 3D poderia desencorajar muitas empresas, pelo menos no momento, a uma possível substituição de funcionários.

"As impressoras 3D não são uma ameaça imediata para os trabalhadores, mas melhorias em tecnologia e custos podem constituir uma ameaça no futuro", alerta Wheaton.