Pai de duas meninas, Bruno Gissoni relata desafio de criar filhas sem machismo

Bruno Gissoni e Yanna Lavigne são pais de Madalena e Amélia (Foto: TV Globo/Imprensa Globo)
Bruno Gissoni e Yanna Lavigne são pais de Madalena e Amélia (Foto: TV Globo/Imprensa Globo)

Resumo da Notícia:

  • Bruno Gissoni falou sobre a criação das filhas

  • Ator é pai de Madalena e Amélia, frutos do casamento com Yanna Lavigne

  • Artista explicou por que o empoderamento feminino é importante

Pai de duas meninas, Bruno Gissoni fala sobre os desafios de criar Madalena, de 5 anos, e Amélia, que nasceu em janeiro deste ano, em meio à sociedade brasileira ainda muito machista. Casado com Yanna Lavigne, o ator avalia a postura dos homens nas famílias e, especialmente, na criação dos filhos.

"A nossa sociedade ainda é bastante machista. Eu não vejo como preconceito dos próprios homens em assumir a paternidade, mas eu vejo que faltam exemplos, né? Acho que esses homens na maioria das vezes são ensinados a serem assim. Então, a gente tem que consertar lá de trás ainda, sabe?", afirma ao Yahoo.

Para Bruno, um dos caminhos para mudar uma sociedade machista baseia-se na educação. "É reeducar a nossa sociedade como um todo. Porque assim como o homem tem que ser educado a ser mais presente, a mulher também não pode mais ser educada a assumir totalmente a responsabilidade da criação, porque a gente ainda vê isso dos dois lados, o machismo até na educação em relação à mulher", observa.

Casado com Yanna Lavigne, Bruno Gissoni dividiu as alegrias da paternidade
Casado com Yanna Lavigne, Bruno Gissoni dividiu as alegrias da paternidade

Infância empoderada

Como homem e pai, Bruno Gissoni percebe que o movimento de empoderamento feminino vem tomando proporções maiores na sociedade e celebra isso. O ator conta que se preocupa em dar um "direcionamento girl power" na educação das filhas.

"É olhar para o futuro e enxergar um futuro mais feminino, um mundo mais feminino. O mundo que é a nossa realidade hoje infelizmente é um mundo criado por homens, porque vimos ao longo da nossa história os homens tomando os lugares mais importantes da sociedade e em todos os sentidos estruturais dela", pontua.