Padre Fábio de Melo defende união civil de casais gays

·2 minuto de leitura
Padre Fábio de Melo (Foto: Reprodução/Instagram/@pefabiodemelo)
Padre Fábio de Melo (Foto: Reprodução/Instagram/@pefabiodemelo)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O padre Fábio de Melo, 49, defendeu nesta quinta-feira (29) o direito à união civil entre pessoas do mesmo sexo. Em live com o empresário Marcus Montenegro, ele comentou a declaração do papa Francisco de que pessoas homossexuais "são filhas de Deus e têm direito a uma família".

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 minuto e receba todos os seus e-mails em um só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Instagram, Facebook e Twitter

O sacerdote brasileiro lembrou que em 2013 foi execrado por ala mais conservadora da Igreja Católica por ter se posicionado de forma semelhante ao papa. "Nós precisamos saber distinguir o que é uma regra religiosa de uma regra civil. Porque somos religiosos nós não temos que impor às pessoas que não são as nossas regras ou impedi-las de terem os seus direitos civis garantidos", afirmou ele.

Veja também

Fábio de Melo disse que sempre considerou uma injustiça os casais gays não terem direito a uma união civil. "Não cabe a mim como padre ficar impondo ao outro uma regra que não me diz respeito. É uma questão de justiça." Segundo ele, o que o papa Francisco disse não quer dizer que os sacerdotes terão que celebrar agora os casamentos gays agora dentro da igreja. "O contexto que ele fala é uma instância jurídica civil. A gente sabe do grande desastre que é quando misturamos a religião e o Estado, do quanto pode ser prejudicial", acrescentou.

A declaração do papa em defesa dos direitos LGBT está presente no documentário "Francesco", dirigido pelo americano Evgeny Afineevsky, e lançado em Roma, no último dia 21. "Pessoas homossexuais têm o direito de estar em uma família. Elas são filhas de Deus e têm direito a uma família. Ninguém deveria ser descartado [dela] ou ser transformado em miserável por conta disso", diz o pontífice no filme.

"O que temos de criar é uma lei de união civil. Assim, ficam legalmente protegidos. Posiciono-me por isso", afirma.