Padre Fábio de Melo se explica após ironizar macumba: 'Nunca quis ofender ou desmerecer'

Redação Vida e Estilo
O padre pediu desculpas a todos que se sentiram ofendidos por suas declarações (Reprodução/ Facebook/ PadreFabiodeMelo)
O padre pediu desculpas a todos que se sentiram ofendidos por suas declarações (Reprodução/ Facebook/ PadreFabiodeMelo)

O padre Fábio de Melo usou as redes sociais, nesta quinta-feira (10), para se explicar após a viralização de um vídeo em que ele aparece fazendo declarações desrespeitosas sobre o Candomblé, religião afro-brasileira. “Com todo o respeito a quem faz a macumba: pode fazer e pode deixar na porta da minha casa que, se estiver fresco, a gente come”, diz o padre no vídeo, gravado durante uma de suas missas.

Depois que o babalaô Ivanir dos Santos, representante do movimentos contra a intolerância religiosa, o notificou extrajudicialmente e pediu que o vídeo fosse retirado do ar, o padre Fábio de Melo publicou um texto, em suas redes sociais e em seu site, se retratando. “Sempre manifestei publicamente o meu respeito a todas as religiões. O candomblé fez parte da minha origem. Nunca quis ofender ou desmerecer quem quer que seja. Apenas expressei, durante uma celebração cristã, convicções cristãs. Peço perdão aos que se sentiram ofendidos. Eu não sou proprietário da verdade. Eu estou em busca dela. Quero o esclarecimento espiritual que me coloque ao lado de todos. Diferentes e iguais a mim. Somos irmãos e não me sinto melhor que ninguém”, escreveu ele.

Leia mais:
Aos 90 anos, Laura Cardoso diz: ‘O trabalho é um estimulante que me faz viver’
Taís Araújo deixa hotel na França com look inusitado: ‘Sim, saio de roupão’

Por fim, o padre pediu desculpas e informou que já conversou com Ivanir dos Santos. “Se fui infeliz na forma como expressei o meu não crer, perdoem-me. Já fiz um contato com o babalorixá Ivanir dos Santos. Ele foi extremamente gentil comigo. Nosso desejo é esclarecer que tolerância religiosa não significa abrir mão do que cremos ou não cremos, mas conviver harmoniosamente, colaborando na construção de um mundo melhor. O mundo já está dividido demais para que criemos outras divisões a partir de nós“, concluiu Fábio de Melo.