Pabllo Vittar sofre com falhas na voz e look rasgado em show na posse de Lula

***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 26.09.2022 - A cantora Pabllo Vittar. (Foto: Mathilde Missioneiro/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 26.09.2022 - A cantora Pabllo Vittar. (Foto: Mathilde Missioneiro/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - Com seu inconfundível agudo, Pabllo Vittar subiu ao palco do Festival do Futuro, já na manhã desta segunda (2), gritando: "Brasília, faz o L!". Uma das artistas mais vocais no apoio do então candidato Lula, do Partido dos Trabalhadores, Vittar foi uma das atrações mais esperadas do festival que acompanhou a posse do novo presidente.

Os atrasos causados por diversos problemas técnicos empurraram o início do show da cantora para 3h50 da manhã, quase duas horas após o horário marcado. Esses mesmos problemas também estavam presentes durante a apresentação da drag queen, cuja voz de grande amplitude perdia a nitidez em notas mais altas.

Mesmo assim, Vittar fisgou sua plateia, ainda expressiva na Esplanada dos Ministérios, para quem ela destilou seu repertório de hits --dos já quase clássicos aos mais recentes.

Assim como outros artistas que encabeçaram palcos no Festival do Futuro, Vittar trouxe seu show completo para o evento, com balé e apenas alguns ajustes em termos de duração e seleção de faixas.

Canções como o trance gospel "Rajadão" e "Descontrolada" conseguiram arrancar aplausos efusivos e passos de dança do público que parecia não se atentar para a falta de definição de áudio, especialmente nas batidas mais graves.

A cantora também abriu espaço para outros artistas: o pagodeiro Lukinhas, em cuja apresentação Vittar aproveitou para fazer uma troca de roupa -sua meia calça havia rasgado e a levou a um visível incômodo. A cantora Urias também cantou com a drag queen.

Enquanto as apresentações de vários artistas do festival ficaram marcadas pelo tom amistoso e reconciliatorio, Urias trouxe ao palco a performance mais incisiva do festival com seu hyperpop agressivo em faixas como "Diaba".

Vittar fechou o show com o brega pop "K.O.", um de seus primeiros sucessos, para um público já em debandada. A artista repetiu o ato que gerou polêmica no Lollapalooza e levantou uma toalha estampada com a foto do atual presidente. "Obrigada, paizinho Lula", disse no encerramento da apresentação.