Oscar 2020: ‘1917’ estreia no Brasil como forte candidato ao prêmio

Foto: Divulgação/Imdb

Por: Diego Olivares

Quando ‘1917’ venceu os pesos-pesados ‘O Irlandês’, ‘História de Um Casamento’, ‘Dois Papas’ e ‘Coringa’ para ser consagrado o melhor filme de drama no Globo de Ouro, em 5 de janeiro, muitos estranharam. Afinal, era o único deles que não tinha estreado no cinema ou na Netflix e surgia “do nada” para ficar com o principal prêmio da noite.

Já conhece o Instagram do Yahoo Vida e Estilo? Siga a gente!

A partir desta quinta-feira, quando chega às salas de exibição brasileiras, o público vai poder conferir os motivos que justificam essa vitória. 

Leia também

Desde o Globo de Ouro, o longa dirigido por Sam Mendes recebeu 10 indicações ao Oscar (filme, direção, roteiro original, fotografia, maquiagem, design de produção, trilha sonora, efeitos especiais, som e edição de som) e conquistou o prêmio do Sindicato dos Produtores, um dos maiores termômetros para o troféu da Academia.

Assim, uma provável vitória no Oscar de melhor filme já não será mais surpresa.A produção sobre dois soldados que cruzam o front da primeira guerra mundial para levar uma mensagem que pode salvar a vida de 1.600 homens de outro batalhão tem elementos suficientes para arrebatar o coração dos votantes. 

Triunfo técnico

Num ano em que o páreo é o mais acirrado em muito tempo, ‘1917’ ponta como uma opção segura. É cinema de altíssimo nível técnico, passa uma mensagem que valoriza o fator humano frente aos horrores das trincheiras e é capaz de comover o público.

Mendes, que inspirou a trama nos relatos que ouviu do próprio avô (participante do conflito como parte do exército britânico), decidiu filmar o longa como se fosse um único plano-sequência, com a intenção de fazer o espectador sentir o tempo correndo diante de seus olhos, junto com a dupla de protagonistas.

Para isso, foram precisos meses de ensaio, com cada tomada extremamente coreografada, já que a intenção era não cortar a ação. Desafio ainda maior teve o fotógrafo Roger Deakins, que contou apenas com a luz natural ou do fogo para iluminar as cenas. Em nome da continuidade, a equipe esperava o céu ficar nublado para rodar as câmeras, evitando que a mudança de lugar do sol estragasse o efeito.

São detalhes que podem passar despercebidos por quem estiver assistindo e não tenha tanta familiaridade com a linguagem cinematográfica, mas que, mesmo para essa parcela da audiência, resulta numa experiência totalmente imersiva, quase como uma espécie de videogame em primeira pessoa. Por isso mesmo, quem for assistir a ‘1917’, deve procurar a maior tela disponível em sua cidade.

Fator Colin Firth

O elenco do filme é capitaneado por dois jovens atores, Dean-Charles Chapman (mais conhecido por ter vivido o Tommen Baratheon de ‘Game of Thrones’) e George MacKay (um dos filhos de ‘Capitão Fantástico). São eles os responsáveis por dar o caráter humano em uma produção com tamanha ênfase nos atributos técnicos.

Astros mais famosos, como Benedict Cumberbatch (‘Sherlock’, ‘Doutor Estranho’), Andrew Scott (festejado pela atuação na segunda temporada da série ‘Fleabag’) e Colin Firth aparecem apenas em cenas pontuais.

A participação de Firth ainda carrega um bônus, que pode se provar um amuleto da sorte para as chances de ‘1917’ no Oscar de melhor filme. Sempre que um longa do qual o ator participou foi indicado na categoria principal, acabou ganhando a estatueta. Foi assim com ‘O Discurso do Rei’, ‘Shakespeare Apaixonado’ e ‘O Paciente Inglês’. A escrita tem tudo para se manter.