Tem calos? Eles são bons para a saúde do seu pé

Foto: Stanislav Sablin/iStock

Por Pilar Tapia

Os calos podem ser incômodos, doloridos e nada estéticos. Por isso, quando aparecem, nossa reação imediata é querer eliminá-los. No entanto, um estudo recente publicado na revista científica Nature descobriu que estas camadas de pele grossa e dura podem ser benéficas para a saúde dos nossos pés.

Já conhece o Instagram do Yahoo Vida e Estilo? Siga a gente!

O estudo, publicado no dia 26 de junho, descobriu que os calos podem ser um escudo para os pés, proporcionando conforto ao caminhar, coisa que nem os sapatos podem oferecer.

Leia também

“Diferentemente dos sapatos, os calos nos pés oferecem proteção sem comprometer a sensibilidade ou os passos. O calçado, por outro lado, reduz a sensibilidade no pé e altera a forma como as forças de impacto se transferem do pé para as articulações mais altas da perna,” explica o Live Science.

Os pesquisadores avaliaram como os calos poderiam se diferenciar dos sapatos para manter a conexão com a terra e o conforto ao caminhar. O estudo analisou os calos nos pés de mais de 100 adultos, a maioria do Quênia.

Entre os que caminhavam descalços, a espessura do calo não diminuiu a sensibilidade e nem a capacidade do pé de sentir o solo ao andar. No entanto, os sapatos, com suas solas acolchoadas, bloqueavam esta sensação.

Além disso, os pesquisadores também descobriram que os calos muitos grossos podem proteger os pés do calor ou de objetos afiados, proporcionando conforto e segurança. Surpreendentemente, por mais grossos que sejam, ainda assim eles permitem sentir o solo. Isso, segundo a pesquisa, pode ajudar a pessoa descalça a manter o equilíbrio, fortalecer os músculos e criar uma conexão neuronal mais forte entre os pés e o cérebro.

“Sugerimos que as crianças caminhem descalças sobre a grama úmida com o propósito de estimular as vias aferentes [nervos que viajam até o cérebro] por razões de desenvolvimento,” disse Thomas Milani, autor adjunto do estudo, de acordo com o Live Science.

“A retroalimentação que recebemos da terra quando caminhamos descalços melhora a nossa consciência do corpo no espaço. Os sapatos podem impedir boa parte desta retroalimentação,” esclareceu E. Paul Zehr, professor de cinesiologia e neurociência da Universidade de Victoria, ao Live Science.

Por outro lado, andar descalço não seria recomendado para quem tem diabetes, pois ela leva à perda da sensibilidade nos pés, por isso se a pessoa pisar em algo perigoso, pode não sentir o dano provocado. Além disso, o alto nível de açúcar no sangue prejudica os minúsculos vasos sanguíneos dos pés, que proporcionam nutrientes e oxigênio para que o pé sare. Até uma pequena punção microscópica na pele pode se transformar em uma úlcera se não for curada corretamente.