Organização Mundial da Saúde suspende pesquisas com cloroquina como tratamento para coronavírus

Protocolo do uso da cloroquina mudou no Brasil por pedido do presidente Jair Bolsonaro; medicamento pode ser usado em casos leves de Covid-19, desde que paciente aceite (Foto: AP Photo/Manish Swarup)

A Organização Mundial da Saúde decidiu suspender temporariamente os estudos do uso da cloroquina e hidroxicloroquina como tratamento para a Covid-19. A declaração foi dada nesta segunda-feira pelo diretor-geral da instituição, Tedros Adhanom durante um pronunciamento em Genebra.

E nos siga no Google News:

Yahoo Notícias | Yahoo Finanças | Yahoo Esportes | Yahoo Vida e Estilo

A decisão foi tomada depois do estudo publicado na revista científica The Lancet na última sexta-feira. A pesquisa, feita com 96 mil pacientes, mostrou que a cloroquina não é efetiva na melhora dos doentes, além de poder diminuir a sobrevida de pacientes infectados pelo coronavírus. O remédio ainda pode causar problemas cardiorrespiratórios.

“Eu gostaria de reiterar que esse medicamento (cloroquina) é considerado seguro para pessoas com doenças autoimunes ou malária”, disse Tedros Adhanom.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

No Brasil, o protocolo para o uso da cloroquina mudou após a saída de Nelson Teich do ministério da Saúde. Com Teich e Luiz Henrique Mandetta, o remédio só era usado em casos graves de Covid-19 na rede pública.Leia também

O novo protocolo, assinado pelo interino do ministério da Saúde, Eduardo Pazuello, por insistência do presidente Jair Bolsonaro, permite que a cloroquina seja usada também em casos leves, desde que o paciente aceite.

A mudança foi um dos motivos da saída de Mandetta e Teich do governo Jair Bolsonaro.

Siga o Yahoo Notícias no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube e aproveite para se logar e deixar aqui abaixo o seu comentário.