Oficial do Exército e servidor do CNJ são presos em ação contra pedofilia no DF

João de Mari
·2 minuto de leitura
De acordo com o delegado à frende das investigações, a Policia Civil chegou aos suspeitos após rastrear os IPs utilizados para baixar os conteúdos ilegais (Foto: Agência Brasil)
De acordo com o delegado à frende das investigações, a Policia Civil chegou aos suspeitos após rastrear os IPs utilizados para baixar os conteúdos ilegais (Foto: Agência Brasil)

A Polícia Civil do Distrito Federal prendeu, nesta sexta-feira (24), cinco pessoas acusadas de armazenar conteúdos pornográficos envolvendo crianças e adolescentes. Segundo informações do jornal Metrópoles, entre os detidos estão um oficial do Exército e um servidor do CNJ (Conselho Nacional de Justiça).

De acordo com Metrópoles, foram cumpridos nove mandados de busca e apreensão, com cinco flagrantes, ocorridos em três bairros diferentes: Asa Norte, Águas Claras e Santa Maria.

Um dos mandados de prisão tem como alvo um oficial do Exército Brasileiro. A principal suspeita é que o militar armazenava e compartilhava vídeos e fotos de crianças em situação de vulnerabilidade sexual.

Já o servidor do CNJ, também um agente público, é acusado de fazer downloads de conteúdos semelhantes, mas a acusação não inclui o compartilhamento desses materiais.

Leia também

A operação deflagrada por meio da 3ª Delegacia de Polícia da região se trata da segunda fase da Operação Infância Violada, que tem como alvo o combate à pedofilia no Distrito Federal.

De acordo com o delegado à frende das investigações, Ricardo Viana, a Polícia Civil chegou aos suspeitos após rastrear os IPs utilizados para baixar os conteúdos ilegais. Além disso, ele afirmou que as investigações monitoram os suspeitos há quatro meses.

Procurados pela reportagem, o CNJ afirmou que “desconhece os fatos”. E que “tão logo informado pelas autoridades competentes irá tomar as medidas funcionais cabíveis”.

O Exército disse que “encontra-se em contato com os órgãos encarregados a fim de obter respostas” sobre as prisões.