Ofendido, humorista expulsa fãs de Bolsonaro de teatro em MG

O humorista Gustavo Mendes. Foto: reprodução/Instagram/gustavomendestv

Uma apresentação do humorista Gustavo Mendes, que é conhecido por imitar a ex-presidente Dilma Rousseff, terminou em bate-boca do artista com a plateia por questões políticas, na última sexta-feira (30). Ofendido por apoiadores do presidente Jair Bolsonaro, o comediante expulsou do teatro, na cidade mineira de Teófilo Otoni, as pessoas que começaram o tumulto e avisou que devolveria o dinheiro do ingresso.

Já conhece o Instagram do Yahoo Vida e Estilo? Segue a gente!

Vídeos do episódio circularam nas redes sociais. A confusão começa quando o texto da peça faz referência ao presidente francês Emmanuel Macron, que recentemente se tornou inimigo número um dos bolsonaristas após apontar a gravidade das queimadas na Amazônia.

Leia também:

Bruna Surfistinha rebate crítica de Bolsonaro: 'Não tem moral para falar da minha vida'

Silvero Pereira protesta contra censura: "Diga não para quem quer destruir direitos"

Alice Wegmann e Sônia Braga protestam pela preservação da Amazônia

Os vídeos registram a reação do comediante diante da manifestação de parte da plateia. “Eu não tenho problema nenhum em expor opinião política. Quando expõe opinião política, eu ponho a minha. Entendeu? A real agora: pode levantar vocês aí, eu devolvo o dinheiro de vocês, porque eu quero vocês fora”, que retribuiu os xingamentos com palavrões.

“Tchau, quem não quer sou eu. Vocês gritam no Facebook, aqui na minha cara não”, afirmou o artista, acrescentando que era a primeira vez que passava por uma situação como essa.

Em um dos vídeos, que mostra parte do público deixando a sessão, Gustavo é classificado como “comunista caviar” por um seguidor de Bolsonaro.

Em outro, mais um simpatizante dos ideiais políticos do ex-capitão chama o humorista de otário.

Ofendido também em suas redes sociais, Gustavo Mendes ganhou apoio no Twitter, de fãs e de colegas, como o humorista Yuri Marçal. “Tamo junto, você é gênio! E se você é bolsonarista, for no meu show e não gostar das piadas que faço, não vou devolver o dinheiro. Lamento”, ironizou.

Presente na sessão, o advogado João Gabriel Prates deu seu relato sobre o episódio, que classificou como “tentativa de censura”. “O fascismo odeia a arte”, analisou.