Obama diz que 'My 1st Song', de Jay-Z, o ajudou durante a presidência

·2 minuto de leitura
*ARQUIVO* BRASILIA, DF, BRASIL, 19-03-2011 - Barack Obama. (Foto: Sergio Lima/Folhapress)
*ARQUIVO* BRASILIA, DF, BRASIL, 19-03-2011 - Barack Obama. (Foto: Sergio Lima/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Barack Obama, 59, afirmou que "My 1st Song", de Jay-Z, o ajudou durante seu mandato como presidente dos Estados Unidos.

Fã de música, Obama compartilhou várias vezes playlists de suas canções favoritas durante seus dois mandatos na Casa Branca.

Em um vídeo recente, ele disse que "My 1st Song" era uma faixa que ouvia sempre nos períodos de campanha eleitoral e, mais tarde, correndo nos Estados Unidos.

"É uma música que adoro porque fala sobre a luta de tentar fazê-la", disse.

Segundo Obama, às vezes é preciso lidar com as inseguranças e quando ele concorria à presidência não sabia se conseguiria fazer isso.

Na presidência, ele continuou ouvindo a música como um lembrete para ainda trabalhar duro e ainda ter que provar algo. "É isso que impulsiona para a frente", disse.

Obama lançou em fevereiro um podcast no Spotify em que conversa com o cantor Bruce Springsteen, 71. "Renegades: Born in the USA", com oito episódios no total, marca a entrada dessas duas personalidades no mundo dos podcasts, onde até então só haviam feito participações especiais. No projeto, eles discutem tópicos diversos desde a paternidade e o casamento até questões de raça e a atual situação do país.

Os dois se conheceram durante a campanha presidencial de Obama em 2008 e se tornaram amigos desde então. Na introdução ao primeiro episódio, o ex-presidente diz que ele, sua família e amigos estavam discutindo as divisões nos Estados Unidos e como "encontramos nosso caminho até uma história americana mais unificadora". Um de seus amigos, diz Obama, "por um acaso é o Sr. Bruce Springsteen".

Recentemente, Obama e Springsteen se encontraram por alguns dias em Nova Jersey para gravar o programa. "O que descobrimos durante essas conversas é que ainda compartilhamos uma crença fundamental no ideal americano, não como um sentimento de nostalgia, mas como uma bússola para o trabalho árduo que temos pela frente", afirmou o ex-presidente.