O show deve recomeçar: manifestantes ocupam teatros da França contra fechamentos da Covid

Yiming Woo
Teatro Oden em Paris

Por Yiming Woo

PARIS (Reuters) - Dezenas de trabalhadores do setor de entretenimento ocuparam teatros de ao menos nove cidades da França para exigir que o governo do presidente Emmanuel Macron reabra instalações culturais e encerre uma suspensão de apresentações que dura meses por causa da pandemia de coronavírus.

No Teatro Odeon, em Paris, a ocupação entrou no oitavo dia nesta sexta-feira, quando manifestantes rejeitaram um apoio financeiro adicional para instalações culturais e artistas prometido pelo governo um dia antes.

Sacos de dormir, colchões infláveis e comida doada se espalham pelo saguão decorado e pelos balcões aveludados do teatro do século 19, e os 54 manifestantes compartilham um único chuveiro.

"Temos tudo que precisamos para fincar pé durante vários dias", disse a comediante Jennifer Catelain.

"Começamos com petições educadas, depois protestos pacíficos, ocupamos instalações durante um dia aqui e ali, mas não fomos ouvidos. Então decidimos intensificar, ficar um pouco mais em um lugar que é emblemático".

Teatros, cinemas, galerias de arte e outros espaços culturais estão fechados desde outubro, quando a França foi submetida a um segundo lockdown total. Grande parte da economia reabriu em meados de dezembro, mas espaços culturais continuaram fechados.

Os manifestantes, entre eles atores, funcionários de teatros e estudantes, dizem que não existe razão para manter instalações culturais fechadas quando medidas de distanciamento social podem ser impostas.