O que você precisa saber para começar a segunda-feira

Ex-capitão da PM Adriano Magalhães da Nóbrega, apontado como líder do grupo miliciano Escritório do Crime, foi morto neste domingo (9). Foto: Polícia Civil

Miliciano investigado em esquema de “rachadinha” no gabinete de Flávio Bolsonaro e por morte de Marielle Franco é morto pela polícia na Bahia; ministro da Educação recua e revoga portaria que limitava viagens de cientistas a congressos; brasileiros que deixaram Wuhan, na China, chegam ao Brasil na Base Aérea de Anápolis (GO).

Confira o que você precisa saber para começar a segunda-feira (04):

Miliciano ligado à morte de Marielle é morto

A Polícia Civil matou, na manhã desse domingo, em uma ação conjunta com a Secretaria de Estado de Segurança da Bahia, o ex-capitão do Bope Adriano Magalhães da Nóbrega. Apontado como autor de diversos homicídios, o ex-militar é um dos criminosos mais procurados do Rio de Janeiro, inclusive com alerta vermelho da Interpol. O ex-policial militar foi localizado numa área rural do estado da Bahia, no município de Esplanada. Foragido há mais de um ano, o ex-PM é um dos citados na investigação que apura a pratica de ‘rachadinha’ no antigo gabinete do senador Flavio Bolsonaro (sem partido-RJ) na Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro). Enquanto estava preso preventivamente pelo crime, foi condecorado por Flávio com a Medalha Tiradentes.

Oscar consagra sul-coreano

Demorou 92 edições, mas aconteceu. Pela primeira vez o Oscar de melhor filme foi para uma produção de língua não-inglesa. A consagração de ‘Parasita’ entra para a História e pode significar um novo caminho, mais aberto aos longas internacionais, no tradicional prêmio da Academia. A obra sul-coreano ainda levou outros três prêmios, saindo como o grande vencedor da noite: melhor direção para Bong Joon Ho, melhor roteiro original e melhor filme internacional. Mas não deu para Petra Costa e seu ‘Democracia em Vertigem’. O filme que conta a visão da diretora sobre os eventos políticos que abalaram o Brasil nos últimos anos perdeu o Oscar de melhor documentário para ‘American Factory’, produzido pelo casal Barack e Michelle Obama.

‘Queima de arquivo’

O miliciano Adriano Magalhães da Nóbrega, conhecido como "capitão Adriano", estava convencido de que queriam matá-lo, não prendê-lo. Ele foi morto na manhã desse domingo (9) pela polícia da Bahia. Nos últimos dias, tanto ele quanto a esposa relataram ter certeza de que havia um plano de “queima de arquivo” em curso contra o ex-policial militar. Ex-capitão do Bope, ele nunca havia falado diretamente com seu advogado, Paulo Emilio Catta Preta, até a última quarta-feira. Foi quando, preocupado com os últimos movimentos da polícia, ligou para ele e relatou que tinha “certeza” de que queriam matá-lo para “queimar arquivo”. Também a viúva do miliciano fez relato idêntico.

Após muita crítica por parte de pesquisadores e associações científicas, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, revogou a portaria que limitava o número de participantes brasileiros em congressos científicos nacionais e internacionais, datada de 31 de dezembro. A revogação foi assinada na última quinta-feira (6).

Freixo nos 40 anos do PT

Durante evento pelas comemorações de aniversário dos 40 anos do PT, nesse sábado (8), no Rio, o deputado federal Marcelo Freixo (PSOL-RJ) pediu à militância: "Temos que destruir o governo Bolsonaro", afirmou. "Resistir é ganhar tempo. Precisamos de algo mais que resistir", completou Freixo, que é pré-candidato à Prefeitura do Rio de Janeiro.

Brasileiros chegam da China

Os repatriados brasileiros que deixaram Wuhan, na China, chegaram pouco depois das 6h desse domingo à Base Aérea de Anápolis (GO). As duas aeronaves da Força Aérea Brasileira (FAB) que foram à China resgatar 34 pessoas — 30 brasileiros e 4 chineses — pousaram no início da manhã depois de escalas em Urumqi (China), Varsóvia (Polônia), Las Palmas (Espanha) e Fortaleza. Desde a saída, em Wuhan, na tarde de sexta-feira, foram mais de 37 horas de viagem.