O que pesa contra o 'Gabinete do Ódio' no inquérito do STF?

Ministro Alexandre de Moraes, do STF, e o relator do inquérito que investiga as fake news

Em 14 de março de 2019, o presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli, anunciou a abertura de um inquérito para investigar ofensas e ameaças à Corte. Nesta quarta-feira, o relator, ministro Alexandre de Moraes, determinou ações de busca e apreensão em endereços ligados a blogueiros, militantes e empresários que apoiam o presidente Jair Bolsonaro. No relatório, o ministro cita a existência do chamado "gabinete do ódio", grupo ligado à presidência da República e que, segundo as investigações, comandaria a disseminação de ataques e notícias falsas.

Quais são as evidências da existência de um grupo articulado para disparar fake news? A investigação pode chegar aos filhos do presidente? Como essas mensagens circulam em grupos de whatsapp e redes sociais? E qual deve ser a repercussão política dessa operação? No Ao Ponto desta quinta-feira conversamos com a repórter Thaís Arbex, da sucursal de Brasília, e com o pesquisador David Nemer, Professor do departamento de Estudos de Mídia da Universidade da Virgínia, nos EUA.

O episódio também pode ser ouvido na página de Podcast do GLOBO. Você pode seguir a gente em Spotify, iTunes, Deezer.

Publicado de segunda a sexta-feira, às 6h, nas principais plataformas de podcast e no site do GLOBO, o Ao Ponto é apresentado pelos jornalistas Carolina Morand e Roberto Maltchik, sempre abordando acontecimentos relevantes do dia.