O que fazer quando um parceiro quer mais sexo do que o outro?

·2 minuto de leitura

O amor está lá, assim como o companheirismo e o respeito. Mas quando o assunto é sexo: um quer e “pede” mais do que o outro. É possível um relacionamento dar certo quando há um descompasso na cama?

“Um relacionamento é feito de acordos. O primeiro passo é descobrir: sempre foi assim e pintou um descontentamento agora? Ou havia desejo em igual medida e agora não há mais?”, reflete a psicóloga Carla Guth, que atende casais.

Leia também

Segundo Carla, no primeiro caso – quando o desejo de um sempre foi menor –, os ganhos secundários compensavam o fato de não se transar quanto gostaria. “Quem tem mais libido botava na balança e pensava: ‘Amo essa pessoa e não posso ficar sem ela’. Mas as necessidades mudam.”

Na segunda situação, algo pode estar afetando o parceiro, como depressão, problemas hormonais ou no trabalho. “Costumo dizer que o casal não se casa apenas uma vez. É preciso fazer acordos diariamente. É importante que eles parem e tenham uma conversa honesta. Pior do que o descompasso na cama é a falta de diálogo”, reflete a psicóloga.

Conversa não precisa ser DR

Carla explica que, quando o casal não conversa, aquele que quer mais sexo e não tem pode começar a fazer suposições. “Ele/ela não quer transar comigo porque eu não sou mais atraente, ele/ela não me ama mais. As pessoas tendem a querer achar uma resposta rápida e ela pode não ser a correta”, diz a especialista.

Se você está nessa situação de querer mais sexo e pensando que o problema de o parceiro não querer possa ser você, pare e respire. “Não tire conclusões precipitadas. Sendo imediatista, você perde a oportunidade de reforçar a parceria que tem. Já atendi pacientes que estavam com depressão – e por isso sem vontade de transar – e tinham receio de pedir ajuda”, conta Carla.

Uma ajudinha extra

Se você está convencido sobre a necessidade de conversar, a psicóloga dá uma dica para ter um papo produtivo. “Fale a partir do seu ponto de vista, dos seus incômodos e necessidades. Escute o que o outro tem a dizer. Se não, em vez de conversa, vira uma sucessão de ataques e defesas. Falar de si próprio é muito difícil, por isso, em geral, apontamos o dedo para o outro”, afirma Carla.

Mas se vocês dois sozinhos não estão conseguindo estabelecer esse diálogo, não hesitem em pedir ajuda a um terapeuta especializado em casais. “É melhor do que aquele silêncio cheio de pressão que fica no ar: ‘Será que hoje rola?’”, finalizada a psicóloga.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos