O que a série "Sex / Life" pode ensinar as mulheres casadas (e todas as outras também!)

·5 minuto de leitura
Adam Demos como Brad na série
Adam Demos como Brad na série "Sex/Life": cena do banho (à direita) gerou grande repercussão (Foto: Reprodução/Netflix)

Resumo da notícia

  • A série "Sex / Life" pode servir de inspiração para o despertar sexual?

  • Como mulheres casadas podem começar o seu despertar sexual.

  • De que forma esse é um trabalho do casal.

A série "Sex / Life", da Netflix, chegou chegando. Com cenas de sexo bastante quentes, nus frontais (masculinos!) e uma premissa bastante interessante, à la "50 Tons de Cinza", virou um dos tópicos mais comentados da semana nas redes sociais, quando estreou, dia 25 de junho deste ano. Assim como aconteceu com a história de Christian Grey, o que se viu nas redes sociais foram comentários sobre como seria possível fazer algumas das coisas mostradas pelas série e, principalmente, se isso era uma boa ideia para mulheres casadas. Afinal, o tal "despertar sexual" é válido só para as novinhas, certo?

Definitivamente, não. Segundo a sexóloga Débora Pádua, é exatamente o contrário. Para ela, o despertar sexual é possível (e até recomendado!) em qualquer fase, com qualquer idade, desde que a mulher tenha curiosidade e vontade. "A mulher pode conhecer quais são as sensações que existem no corpo dela, qual é o prazer que ela pode ter sozinha ou junto com o parceiro", explica.

Leia também

E, o melhor de tudo, não existe um caminho exato e certo para explorar a própria sexualidade. Pelo contrário, os caminhos são muito variados. E é aí que séries como "Sex / Life" entram em cena, porque consumir conteúdos que excitem e que dão ideias (chegando até os pornôs ou a conhecer um sex shop) são muito válidos. A masturbação e o uso de acessórios, como vibradores e massageadores, também são igualmente recomendados, desde que a mulher, claro, se sinta confortável com o seu uso.

"O que a mulher precisa é dessa curiosidade. Tem vários caminhos que levam a uma boa sexualidade, basta ela querer se conhecer, se tocar, e não ter vergonha de fazer isso. Ou, mesmo que ela tenha vergonha, que a enfrente e não paralise diante dela. Porque ela, com certeza, vai ter uma grata surpresa se permitir a si mesma fazer isso", diz a sexóloga.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 minuto e receba todos os seus e-mails em um só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

Mas e a mulher casada, hein? Pode explorar a sexualidade?

Para a alegria de todas, sim! Não só podem como, de novo, devem. Segundo Débora, esse despertar sexual deveria ser uma obrigação para as casadas, já que escolheram uma mesma pessoa para ter relações sexuais - ou seja, essas relações têm que ser as melhores da sua vida. "Ela tem que confiar na pessoa que ela está. No começo, pode dar um pouco mais de vergonha, porque já tem uma vida sexual estabelecida de muitos anos. Mas os homens têm que ficar mais atentos a essas mulheres, os tipos de filmes, de seriados, que assistem, que gostam, o que leem… Isso já demonstra que elas querem alguma mudança."

Essa atenção extra do lado do parceiro, segundo ela, é o que garante que a mudança, de fato, aconteça. Aliás, a relação precisa ser boa para os dois lados, ainda mais dentro de um casamento, e o caminho é o mesmo para os dois: começa na curiosidade e na abertura para tentar coisas novas. "Seja nas posições diferentes, seja em acessórios, brinquedos eróticos, conhecer motéis diferentes… Tudo isso leva esse casal a ser um pouco mais ousado", continua.

A ideia, portanto, é sair do comum, do dia a dia, do feijão com arroz. Vale tanto marcar uma noite para ir ao motel, um evento diferente do sexo em casa, quanto apostar em brincadeiras e fantasias variadas. Débora conta que sempre oferece aos casais que atende a ideia de manter por perto uma "caixinha de surpresas": cada um coloca dentro de uma caixa ideias do que tem vontade de fazer com o outro. De vez em quando, o casal abre a caixa e sorteia uma ideia nova. "Nisso, eles vão perdendo a vergonha juntos, e o sexo vai melhorando sempre", diz a sexóloga.

"Sex / Life", só que na vida real

Voltando ao começo desse texto, assim como aconteceu com "50 Tons de Cinza", séries como "Sex / Life" são ótimas fontes de inspiração. Segundo Débora, são produções como essas que podem tirar o sexo do dia a dia do lugar comum ou, no mínimo, inspirar uma mulher a conhecer mais sobre si mesma e o seu próprio prazer. Uma série desse tipo pode, inclusive, ser uma demonstração de que o sexo pode ser bom em qualquer idade e com qualquer pessoa, desde que as duas estejam dispostas a isso.

"São sensações que se pode ter a vida toda, independente do parceiro. Se você fez alguma coisa com um parceiro que você gostou, o que você tem que fazer é ensinar pro seu parceiro de agora o que você gosta - mas as mulheres têm muita vergonha disso", diz a profissional. "O que elas têm que pensar não é o parceiro, são as sensações que elas vivenciaram, então, podem tê-las com outra pessoa também. Se ela é casada, ela tem que ensinar para o próprio parceiro o que ela gosta, o que ativa esse corpo, e não ter vergonha disso".

E, para quem se sente intimidada com o que vê numa série como "Sex / Life" ou até num pornô, não se preocupe. O objetivo não é copiar exatamente o que se vê na tela, mas ter ideias novas do que experimentar a partir do que se assiste.

"Os filmes pornôs podem dar uma ideia do que fazer, mas não necessariamente aquilo vai funcionar para você. Vale a tentativa e, no final, você vai saber se você gostou ou se você não gostou. Você precisa se permitir para ter um bom sexo. Existem pessoas que vão ser mais ousadas, existem outras pessoas que não vão ser tão ousadas assim, existem casais que vão super curtir algo muito diferente e alguns casais que uma mudança de posição já faz muita diferença na vida deles. Isso depende muito do casal, mas vale sempre a tentativa da mudança, e isso em qualquer idade", diz Débora.

A meta, segundo ela, é que o sexo se torne cada vez melhor com o passar do tempo. E, para a mulher que se conhece, isso é possível mesmo que ela troque de parceiro ao longo da vida. "Ela vai conhecer o próprio corpo, as próprias sensações, e isso vai fazer com que, independente do parceiro, ela seja feliz sexualmente", finaliza.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos