'O Acontecimento' revisita o aborto clandestino da best-seller Annie Ernaux em filme

TOULOUSE, FRANÇA (FOLHAPRESS) - Uma jovem universitária está grávida. Ela não quer o filho, mas o aborto é proibido, e tanto mulheres que o fazem quanto as pessoas que as ajudam cometem um crime.

Ela então corre contra o tempo para descobrir como fazer um aborto clandestino, que começa na cama da casa de uma desconhecida, passa pelo vaso sanitário do alojamento estudantil e acaba no hospital.

Essa é a história de muitas brasileiras hoje, mas é também a da escritora Annie Ernaux na França do começo dos anos 1960. Seu relato está no livro "O Acontecimento", que acaba de ser adaptado ao cinema. O longa de Audrey Diwan, que ganhou o Leão de Ouro no último Festival de Veneza, chega aos cinemas em 7 de julho, mas tem pré-estreia no Festival Varilux a partir desta terça.

Diwan, que foi editora, jornalista e tem dois romances publicados, conta que é uma grande leitora de Ernaux, mas que só leu "O Acontecimento" depois de ter feito um aborto. "Eu queria e precisava pensar sobre o assunto, e uma amiga me falou do livro", diz.

Na França, a interrupção voluntária da gravidez é legal desde 1975. O primeiro romance de Ernaux, de 1974, "Les Armoires Vides" (os armários vazios, sem tradução no Brasil) já mencionava o aborto da best-seller francesa, mas ele só será seu tema central mais tarde, em 2000.

O filme de Diwan acompanha a protagonista, vivida pela atriz franco-romena Anamaria Vartolomei, com uma câmera muito próxima, contando as semanas de gravidez que avançam, num clima de tensão e ansiedade que também impregna o livro, um "thriller íntimo", nas palavras da cineasta.

A estudante do longa diz a certa altura que quer ter filhos, mas não naquele momento, não enquanto ainda termina os estudos. Seus pensamentos sobre a gravidez e sobre como acabar com ela já a impedem de seguir como a boa aluna que sempre foi.

"O que me interessava não era fazer um panorama do aborto clandestino nos anos 1960", diz Diwan, "mas tratar dessa vontade feroz da personagem de ser livre, de impor seu desejo sexual, de impor sua vontade de um futuro intelectual, de seu desejo de ser escritora."

Segundo a cineasta, o filme é sobre uma busca pela liberdade, "e nesse caminho a protagonista deve fazer um aborto clandestino, esse é o preço para ser livre".

O que mais mexeu com a cineasta foi a atualidade do relato de Ernaux. "Todos os países que proíbem o aborto lançam as mulheres à clandestinidade", diz ela. "Se uma pessoa é contra o aborto, ela tem que aceitar ser confrontada com a realidade do aborto clandestino. Será que ela concorda com esse nível de violência física e moral, de risco e de solidão?"

"Até que eu lesse o livro, tinha uma ideia imprecisa do que é isso", conta a diretora. "Mas então pude compará-lo com o percurso do aborto medicamentoso pelo qual eu havia acabado de passar. Fiquei impressionada pelo fato de que na clandestinidade tudo depende do acaso, com quem você vai cruzar, se essas pessoas vão ajudar ou denunciar você. Há um suspense terrível."

Ernaux, hoje aos 81 anos, colaborou com o filme de Diwan. Na primeira vez em que as duas se encontraram, a escritora relembrou sua experiência, dando detalhes que não estão no livro.

"Quando ela escolhe escrever sobre um tema, ela vai ao essencial e deixa algumas coisas às portas da memória", diz Diwan, para quem foi "extraordinário ter a possibilidade de falar de um contexto social e político, dos amigos, da família e do medo que sentia presentes no relato".

Ernaux leu ainda três versões do roteiro. Ela estava preocupada, conta Diwan, não com a fidelidade ao livro, mas com que o filme não traísse o começo dos anos 1960. "Ela sempre disse que queria evitar tudo que não correspondesse a um pensamento da época, seja na jovem que ela era então, seja na maneira como se pensava o assunto."

A voz da escritora mais velha, que relembra aquele ano de 1963 numa conversa com o leitor, desaparece na adaptação em filme. "Se eu mostrasse Annie atualmente contando essa história, seria como se eu a contasse por um retrovisor, como se estivesse inscrita no passado. O filme perderia esse sentimento de perenidade, de que essa realidade existe ainda."

A 13ª edição do Festival Varilux de Cinema Francês exibe em mais de 40 cidades do país 17 longas e sete séries inéditas no circuito brasileiro, entre os quais estão ainda os filmes mais recentes de François Ozon, Asghar Farhadi, Louis Garrel e Cédric Klapisch.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos