Notícias da semana: Lula volta e chacoalha o Brasil

·3 minuto de leitura

O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal, anulou todas as condenações do ex-presidente Lula (PT) na Justiça Federal do Paraná, que diziam respeito à Operação Lava Jato. Com a decisão de Fachin, Lula fica fora da Lei da Ficha Limpa e volta a ser elegível. Na eleição de 2018, o petista concorreria ao cargo, mas foi impedido.

Para o ministro do STF, a Justiça Federal do Paraná é considerada incompetente para julgar os casos que envolvem o tríplex do Guarujá, do sítio de Atibaia e também do Instituto Lula. Segundo Fachin, a 13ª Vara Federal de Curitiba não seria "juiz natural" dos processos.

Em discurso para o público, fez duras críticas ao governo de Jair Bolsonaro, principalmente na condução da pandemia do coronavírus e na falta de vacinação contra a covid.

"Na minha época vacinamos 80 milhões em três meses. Cadê o Zé Gotinha? Bolsonaro mandou embora porque achou que era petista".

Mercado e Bolsonaro reagem

O dólar fechou no maior patamar desde maio e a pouco mais de 2 centavos de 5,80 reais, com o mercado estressando no meio da tarde e deflagrando forte movimento de compra de moeda depois de o ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), anular todas as condenações impostas ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva pela 13ª Vara Federal de Curitiba no âmbito da operação Lava Jato.

Os Bolsonaros deram início ao disparo de um vídeo do ano passado, no qual Lula comenta sobre o coronavírus. Carlos e Eduardo compartilharam a declaração do ex-presidente no Twitter. Segundo o blog de Juliana Dal Piva, no UOL, a família estendeu a tentativa de viralização do material em seus canais no Telegram

Recordes de morte

O Brasil registrou 2.286 novas mortes pelo novo coronavírus e 79.876 casos da doença na quarta (10). Com isso, o total de mortos chegou a 270.656 e o de casos a 11.202.305, de acordo com o painel atualizado pelo Conass (Conselho Nacional dos Secretários de Saúde), um sistema próprio de informações que reúne dados de contaminados e de óbitos em contagem paralela à do governo.

É a primeira vez desde o início da pandemia que o país soma mais de 2 mil mortes por dia. Até o momento, o recorde tinha sido na última terça (9), com 1.972 óbitos.

São Paulo em fase emergencial

O estado de São Paulo entrará na fase emergencial, uma etapa ainda mais rígida do Plano SP. O anúncio foi feito nesta quinta-feira, 10, pelo governador João Doria (PSDB). A decisão foi tomada após o estado chegar no pior momento da pandemia do coronavírus. A medida passa a valer na próxima segunda-feira, 15 de março, e vai durar duas semanas, até 30 de março.

O estado tem 9.184 pessoas internadas por covid-19, índice 47% maior do que no primeiro pico da pandemia. O objetivo da fase emergencial é reduzir em 4 milhões o número de pessoas que circulam diariamente no estado.