No Rock in Rio, 26% consideram a emissão de carbono ao escolher um produto

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A emissão de carbono é uma preocupação apenas para 26% das pessoas na hora de comprar um produto ou contratar um serviço. Isso é o que aponta pesquisa Datafolha feita neste domingo (4) com o público que acompanhava o terceiro dia do Rock in Rio.

A pesquisa, encomendada pela Suzano, ouviu 406 pessoas com mais de 16 anos e tem margem de erro de cinco pontos percentuais para mais ou para menos. A preocupação em relação à emissão de carbono cresce de acordo com a faixa etária dos entrevistados.

Entre 16 a 24 anos, 22% afirmam levar em consideração a emissão de carbono, que é o lançamento de gases de efeito estufa na atmosfera, principalmente o gás carbônico. O percentual cresce nas faixas de 25 a 34 anos (27%), 35 a 44 anos (31%) e acima dos 45 (36%).

A pesquisa também questionou sobre embalagens com indicações sobre as certificações do produto, e 94% afirmaram que preferem ter esse dado, com pouca variação entre as faixas etárias. Outros 4% disseram que não preferem e 2%, que é indiferente.

Considerando por idade, temos 96% dos entrevistados entre 16 e 24 anos afirmando que preferem ter as certificações nas embalagens, seguido por 93% da faixa entre 25 e 34 anos, 86% da faixa de 35 a 44 anos, e 93% entre o público com mais de 45 anos.

Os entrevistados também falaram sobre o material que mais consideram sustentável para embalagens, sendo o papel o mais citado. Ao todo, 67% dos entrevistados apontaram ele, seguido por vidro (21%), plástico (6%) e alumínio (5%) --1% afirmou não saber.

A pesquisa apresentou ainda cinco atitudes e perguntou aos entrevistados se elas reduziriam o impacto da emissão de carbono. Ao todo, 96% consideraram que "comprar produtos com embalagem sustentável" reduz esse impacto, mesmo percentual de "diminuir o desperdício".

"Dar preferência a empresas sustentáveis" também foi apontada como uma atitude que diminui a emissão de carbono para 94% dos entrevistados, seguido por "dar preferência a energia alternativa e uso de biomassa" (93%) e "optar por meios de transportes alternativos e coletivos" (93%).