Netflix supera expectativas com mais de 230 milhões de assinantes no mundo

A Netflix possui atualmente 230,75 milhões de assinantes, superando com folga as previsões e expectativas do mercado para o último trimestre, e virando a página de um ano de 2022 difícil para o serviço de streaming, segundo um comunicado de resultados publicado nesta quinta-feira (19).

A plataforma também anunciou que Reed Hastings, fundador da empresa e co-CEO ao lado de Ted Sarantos, deixará o cargo e será substituído por Greg Peters.

"Estou muito orgulhoso de nossos primeiros 25 anos, e muito esperançoso com os próximos 25", declarou Hastings, que originalmente criou um serviço de aluguel de DVDs por correio. Ele permanecerá na empresa como "presidente executivo".

A Netflix sofreu um baque no ano passado. O serviço perdeu quase 1,2 milhão de assinantes no primeiro semestre.

A plataforma voltou a atrair milhões de clientes no terceiro trimestre e ganhou 7,66 milhões de novos assinantes entre outubro e dezembro, um número bem acima do esperado.

A plataforma se beneficiou das novas temporadas de séries de sucesso como "The Crown", sobre a família real britânica, e "Emily in Paris", mas também de novos programas, como a série documental "Harry & Meghan" e a popular série "Wandinha".

Mas a Netflix continua "sob forte pressão para corrigir a rota e entregar melhores resultados para seus acionistas", disse Paul Verna, analista da Insider Intelligence, depois que "suas ações perderam mais de 50% de seu valor em 2022".

No quarto trimestre, a empresa californiana teve receita de US$ 7,85 bilhões, mas gerou apenas US$ 55 milhões de lucro líquido, bem abaixo dos US$ 257 milhões esperados pelo mercado.

A Netflix colocou em prática no ano passado medidas para gerar novas fontes de receita, que devem dar frutos este ano.

Especificamente, a plataforma lançou um plano de assinatura novo, mais barato e com anúncios em novembro, uma alternativa menos glamorosa que a empresa evitou durante muito tempo.

"Este é o início de uma virada para a empresa", disse Verna. "Esperamos um começo relativamente fraco, com receita de publicidade de US$ 830 milhões em 2023."

"Porque a Netflix, como outras empresas de streaming, enfrenta forte concorrência, ventos econômicos contrários e uma necessidade urgente de se concentrar na lucratividade em vez do crescimento das assinaturas", explicou.

juj/els/eb/atm/am