Negra Li completa 40 anos e faz planos: “Quero ser mãe de novo”

Negra Li completa 40 anos (Foto: Reprodução/Instagram@negrali)

Por Felipe Abílio

“Os 40 são os novos 20”, diz Negra Li, gargalhando. Ela completa neste dia 17 de setembro 40 anos. “Estou me sentindo melhor do que quando tinha 20 ou 30. Aos 40 você é mais cabeça, está mais segura com a profissão. Eu cuido da saúde, então, com essa parte não estou preocupada, melhora tudo.”

Já conhece o Instagram do Yahoo Vida e Estilo? Siga a gente!

Um dos principais nomes do rap nacional, a cantora coleciona colaborações dos sonhos com grandes nomes da música como o rapper Sabotage, Martinho da Vila, Caetano Veloso, o americano Akon, entre outros. Apesar das parcerias de peso, ela é modesta quando questionada sobre os sonhos que tem para as próximas décadas.

Leia também


“Tenho muitos sonhos, mas nada demais. Junto com os 40 anos e o amadurecimento, veio também aquele lance de que menos é mais, que com pouco já fico feliz. O importante é o seu espiritual, você estar bem, estar feliz com a sua família. O amadurecimento faz isso, você valorizar coisas pequenas, viver de momentos felizes.”

Casada com o cantor Junior Dread, a cantora é mãe de dois filhos: Sofia, de 10 anos, e Noah, de 4. Mas a família pode aumentar em breve. “Até pouco tempo não pensava, mas quero ser mãe de novo”, diz empolgada.

Questionada sobre a data de chegada de mais um filho, a cantora surpreende na resposta: “Só um?”, diz rindo. “Vou à médica regularmente. Ela diz que está tudo muito bem, então não tenho data, vai acontecer quando a gente quiser muito. Os dois primeiros foram planejados, foi muito gostoso e eu indico para todo mundo - planejem seus filhos, já é difícil criar planejando, imagine sem.”

Preconceito diário

Em seu álbum mais recente, “Raízes”, de 2018, a letra da música homônima, com participação de Rael, relembra a trajetória de sua própria vida, com versos autobiográficos, como: “Eu venci o preconceito e fiz de um jeito que vários se inspiram em mim/ Com muita resistência, virei referência pra outros que vem de onde eu vim/ Da Brasilândia pro Brasil inteiro, hoje sirvo de modelo”.

A cantora afirma que ainda lida com os estigmas por ter nascido pobre, negra e na periferia. “Sinto que sofro preconceito todos os dias. Os casos de preconceito não são pessoais, são por toda uma etnia, por toda uma raça. Então, não tem como não me sentir abalada, não sentir que estou sofrendo com o preconceito. Se o Zezinho estiver sofrendo, eu também estou.”

Apesar do sucesso, ela própria passa por situações constrangedoras. “Pessoalmente, sofro perseguição em mercados. Ando muito simples, então sinto olhares diferentes em shoppings, lojas mais chiques, restaurantes... Mas, assim, eu gosto de incomodar.”

Cultura em decadência

Nadando para sobreviver com o descaso e a falta de incentivo cultural desde a entrada do governo Bolsonaro, Negra Li diz que já sente os impactos no trabalho, e que pensou até desistir da carreira por aqui.

“Mulher, negra e que vive da cultura, como que faz? Já pensei em desistir algumas vezes, ir embora para Portugal. Tenho uma irmã que mora lá. Culturalmente já me senti muito prejudicada, está bem difícil. E já era difícil ser músico no Brasil. Claro, alguns estão bem, mas acho que muitos ainda sofrem com essa decadência da cultura, esses passos para trás que a gente está dando.”

Para ela, o incentivo vem de dentro. “Sempre que pensava em desistir, alguma coisa me dizia: 'Não, eu sou resistência desde que nasci e tem muita gente que precisa de mim, precisa de pessoas como eu'. Essas pessoas precisam de referência, precisam saber que vale a pena lutar, que ela vai conseguir, que ela vai superar, entendeu?”.

É por isso que a cantora luta para que todo jovem periférico e negro tenha consciência do seu lugar de fala. “Acho que você tem que ser bem claro com aquilo que você é, aquilo que representa, de onde você veio. E tem que ter orgulho disso. Quando você tem uma autoestima inabalável, nada vai te fazer sofrer. Você vai lutar, não vai aceitar certas coisas. E a cabeça vai ficar bem, porque, por dentro, você já sabe que podem falar o que for, você sabe o seu valor.”