Nasce Maria Flor, segunda filha de Virginia e Zé Felipe; veja 1ª foto

Virginia Fonseca dá à luz Maria Flor, segunda filha com Zé Felipe (Foto: AgNews)
Virginia Fonseca dá à luz Maria Flor, segunda filha com Zé Felipe (Foto: AgNews)

Virginia Fonseca anunciou o nascimento de sua segunda filha, Maria Flor, fruto do casamento com o cantor Zé Felipe, na manhã deste sábado (22). Em duas publicações nos stories do Instagram, ela celebrou a chegada da criança.

Na primeira imagem compartilhada com os seus seguidores, com o horário marcando às 7h09 da manhã, a influenciadora digital desejou um bom dia aos seus quase 40 milhões de seguidores e anunciou a novidade: "Indo dormir agora. Nossa princesa, Florzinha, chegou e muito bem, graças a Deus", comemorou. "Assim que acordar, venho falar melhor com vocês. Cara de cansadinha, mas felicidade exalando."

Em seguida, ela compartilhou uma marca do pé de Maria Flor, reproduzida em sua própria pele, possivelmente após a criança realizar o teste do pezinho, feito em recém-nascidos para detectar possíveis doenças graves. "Obrigado Deus", escreveu na legenda.

Algumas horas depois do anúncio, Virginia dividiu a primeira imagem do rostinho de Maria Flor e deu detalhes sobre o nascimento: "Nossa Florzinha chegou às 5h33 da manhã, com 3,160 kg e 48 cm. Só sabemos agradecer a Deus por tudo que Ele faz por nós e por nos honrar com duas princesas lindas. Gratidão. Somos as pessoas mais felizes do mundo", escreveu.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Em suas redes sociais, Zé Felipe também comemorou o nascimento da criança: "Ela é linda! Florzinha chegou. Obrigado, meu Deus!", escreveu o cantor. "Coração cheio de alegria. Obrigado, meu Deus. Toda honra e glória é tua, meu Deus", acrescentou em outro clique. Casados há cerca de dois anos, eles já são pais de Maria Alice, de um ano de idade.

Problemas durante a gravidez

Grávida da segunda filha, Virginia não teve uma gestação tão tranquila quanto poderia esperar. Aos quatro meses, ela precisou ser internada por sofrer com fortes dores de cabeça e ser diagnosticada com cefaleia refratária:

“Ela atinge mais as mulheres que os homens e uma das hipóteses são as alterações hormonais que acontecem com mais frequência, mas esse quadro costuma diminuir até 90% durante uma gestação”, comentou o neurologista e neurocirurgião do Hospital Israelita Albert Einstein e Rede D’Or, Wanderley Cerqueira, em conversa com o Yahoo!