'Não tenho tipo. Gosto de homem', diz Viviane Araújo

Viviane contou que o Carnaval é sua paixão (Reprodução/ Instagram/ @araujovivianne)

Capa da revista “Quem”, desta semana, Viviane Araújo falou sobre a paixão por ser madrinha de bateria, sobre a fase ruim que passou durante seu relacionamento com Belo quando o cantor foi preso, e garantiu que não liga para estética quando escolhe com quem se relacionar. Em entrevista à publicação, a atriz contou que não se considera a “rainha das rainhas”, como é vista por alguns, mas que fica feliz por ser reconhecida como tal. “Fico feliz e orgulhosa de me reconhecerem como rainha das rainhas, mas não me vejo assim. Acho que essa ideia vem da minha história no Carnaval, que é a minha vida. Me deixa viva, é uma paixão, uma religião”, disse ela.

Sobre a época em que era casada com Belo e o cantor foi condenado por tráfico, Viviane diz que tem lembranças ruins das visitas ao ex-marido na cadeia, mas que foi uma fase importante. “Tudo de bom e de ruim que eu passei serviu para alguma coisa, me trouxe ensinamento. Eu sou grata por tudo, tanto as coisas boas quanto as ruins. Foi horrível! Horrível! Horrível! Foi a pior fase da minha vida. Mas eu estava lá. Eu amava, eu gostava. Eu estava do lado da pessoa que eu amava. Você até conhece algumas pessoas lá e vê que tem quem não merecia estar ali dentro. É difícil. É ruim. Não gosto de falar muito não sobre isso. Sabe você achar que você não tem força para aguentar aquilo ali? E você ter essa força não sabe de onde? Você se supera, você cresce, fica fortalecida para a vida”, afirmou ela.

Leia mais:
‘Tenho uma facilidade de me expressar e não seria diferente com relação a sexo’, diz Cleo Pires
No ‘BBB 18’, Naiara Azevedo dá bronca em Lucas: ‘Pra bom entendedor, meia palavra basta’

Recém separada do jogador de futebol Radamés, Viviane Araújo contou que gosta de homem com pegada e não liga se ele tiver uma barriguinha. “Não tenho tipo. Gosto de homem. Não importa se tem tanquinho ou pancinha. Não tem que ser preto, branco, magro, ou alto… Tem que me olhar de um jeito, o olhar tem que bater. E depois ser divertido, inteligente, legal. Mas sabe que os homens não são muito de chegar e me cantar? Tem aquela questão: vou chegar nela e falar o quê? Então, podem até chegar e puxar um assunto, mas não é assim direto”, contou ela.